Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O direito de errar
 
O direito de errar
18/03/2016 as 17:09 h  Autor Carlos Alberto Silva  Imprimir Imprimir
A transparência da informação, bem comodo processo que a origina e a propaga, é um dos preceitos básicos de todo veículo de imprensa que se pauta pelo respeito à ética e, especialmente, ao seu público. Não há outro caminho para conquistar um patamar de credibilidade capaz de situá-lo no horizonte jornalístico para onde a opinião pública dirige seu campo de visão.

Pois bem, é ingênuo acreditar que, nesse complexo universo onde se constrói a informação, o processo seja impecavelmente pontuado com exclusividade por acertos e decisões corretas dos responsáveis por sua elaboração. Os obstáculos, os passos em falso e eventualmente os tropeços tornam-se naturais e, pode-se dizer, aceitáveis nesta época em que a velocidade da notícia é ditada pela própria exigência de um público cada vez mais ávido pela instantaneidade acessada por meio das mídias digitais.

Portais de notícias, emissoras de rádio e televisão e também os jornais impressos permitem-se corrigir erros cometidos sob a tensão ou, até mesmo, sob o ímpeto de um cotidiano de constantes turbulências ocasionadas pela apuração das diferentes versões que geralmente constituem um determinado objeto de informação. É bastante comum o leitor deparar-se com o famoso “erramos” na página de opinião, ou o telespectador ou ouvinte ser alertado pelo apresentador com o indefectível “ao contrário do que dissemos há pouco...”.

O público habituou-se a esse percalço no dia a dia dos jornalistas. E de certo modo passou a encará-lo como circunstância compreensível de um trabalho sujeito a dificuldades como qualquer outro. Porque, afinal de contas, todos nós cometemos erros. Poucos ou muitos, simples ou graves, os erros estão aí para nos lembrar dessa característica tão latente em nossa condição humana: somos falhos.

No entanto, ao contrário do público consumidor de informação, o jornalismo parece não ter ainda se habituado à compreensão que também se exige dele próprio em sua relação diária com agentes participativos, e efetivos, na produção da notícia. Talvez a principal vítima dessa arrogância sem sentido esteja personificada na figura do assessor de imprensa, primo em primeiro grau daquele que desenvolve sua atividade na redação, mas que geralmente é tratado como um daqueles parentes indesejados comos quais é necessário manter ao menos uma relação de cínica cortesia.

Ao assessor de imprensa, ainda não é permitido errar. Uma resposta solicitada pelo veículo de comunicação não pode ser corrigida. Enviar uma segunda versão assemelha-se a um crime imperdoável, com direito a execração pública. Está se tornando comum, por exemplo,apresentadores de telejornais questionarem no ar correções enviadas pelos assessores de imprensa. Mesmo que a atualização colabore para que a informação chegue ao público mais precisa ou mais rica em detalhes ou mais próxima daquilo que chamamos de verdade.

O fato é que, além de humano, errar também é profissional. Enfrentar o erro com transparência e honestidade é um saudável exercício de humildade. E a humildade, essa postura de cujas fronteiras o jornalismo costuma esquivar-se constantemente, é um dos princípios fundamentais para mantermos em dia a consciência de que somos infinitamentemenos importantes do que aquilo que produzimos: a informação. O pior erro de jornalistas e assessores de imprensa é permitir o erro na informação levada ao público por receio de admitir seu legítimo direito de errar.
 
Carlos Alberto Silva, é jornalistae assessor de imprensa

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK