Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A nova Barbie e a questão de representatividade*
 
A nova Barbie e a questão de representatividade*
03/02/2016 as 17:07 h  Autor Rafaella Iwakura  Imprimir Imprimir
28 de janeiro de 2016 foi um dia para entrar na história. Neste dia, e depois de 56 anos, a Mattel anunciou que a sua icônica boneca Barbie terá mudanças significativas. Agora, a boneca apresentará 4 tipos de corpo, 6 tons de pele e diferentes tipos de cabelos e olhos.

Um novo momento na história da empresa está sendo impulsionado, onde as meninas estão encorajadas a se sentirem parte de uma real beleza e de um padrão estético sem padrões. As respostas dos consumidores na página oficial da Barbie no Facebook não poderiam ser mais positivas:

Agora sim terei vontade de comprar uma Barbie para a minha irmã mais nova. Amei a iniciativa! Para os que gostam dos modelos ‘antigos’, não precisam se preocupar. Elas não fugirão do mercado. Só temos mais opções e cada um escolhe a que quer

Obrigada por ouvir os consumidores! Obrigada por ajudar a ensinar as meninas e meninos que, desde cedo, temos diferenças que nos fazem ser únicos e lindos. Todo o amor pra essa campanha! #atéqueemfim!

Com isso, a Mattel melhora sua relação com o consumidor e mostra algo às empresas de brinquedos e produtos para crianças: não se pode ignorar o novo contexto social em que vivemos. Discussões sobre representatividade, gênero e feminismo não podem (e nem devem) ser ignoradas.

O consumidor quer ser ouvido, e agora, não no próximo século. Quer se sentir representado nos produtos e consumir dentro de uma lógica menos sexista. A conectividade traz um mundo sem fronteiras, com mais informação. A informação gera autonomia e permite que o poder de escolha esteja potencializado ao infinito.

Inúmeras são as demonstrações da força e do poder de escolha dos consumidores. É o caso do menino Matias, que teve sua foto ao lado de um boneco de Star Wars viralizada simplesmente porque falou “Eu gosto dele porque é preto igual a mim”. Sincero e direto. E as redes sociais abraçaram Matias, com milhares de likes que mostraram que o menino não está sozinho.

Sábias as empresas que escutam seus consumidores. Quando vejo uma campanha ruim, que não se comunica positivamente com o cliente, ser “detonada” na internet, fico pensando que quem a idealizou certamente está alienado a todas as questões que levantei nesse texto. Mas como pode? Em que mundo está vivendo? Será que ignora propositalmente todos os sinais?

Tento entender o porquê da demora das empresas em mudar o rumo das comunicações, das interações e das ações com o consumidor. Espero que compreendam esse novo momento e estejam preparadas para ele. Que estejam abertas para a mudança e que se deixem conduzir sabendo mais ouvir do que falar, porque o consumidor não está pra brincadeira não. Representatividade importa sim!





Rafaella Iwakura é mãe, jornalista e editora do projeto Eduque Com Carinho

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK