Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A nova lei nº 13.245-2016 e a obrigatoriedade da presença do Advogado no inquérito policial
 
A nova lei nº 13.245-2016 e a obrigatoriedade da presença do Advogado no inquérito policial
16/01/2016 as 10:05 h  Autor Leopoldo Luis Lima Oliveira  Imprimir Imprimir
No último dia 15 de dezembro foi aprovada a Lei 13.245/2016 que altera a lei federal nº 8906/94 no que tange aos direitos dos advogados. A nova lei traz a obrigatoriedade da presença do advogado no inquérito policial e realça mais uma vez a importância da nobre profissão no Estado Democrático de Direito. Um convite à observância maior da legalidade na comprovação da culpabilidade do acusado. Para entender melhor a nova lei é importante a compreensão de que o inquérito policial por exemplo colhe informações previamente à propositura da ação penal sob a égide da Constituição Federal e caracteriza-se como um procedimento administrativo para a maioria dos autores e cientistas do direito. De caráter inquisitivo e presidido justamente pela autoridade policial, também possui a função de colher elementos para o deferimento de medidas cautelares judiciais. Tratado pela maioria dos cientistas como procedimento e não processo, justifica-se a ausência de princípios como contraditório e ampla defesa, primordiais para a busca da verdade real. Porém com o decorrer dos tempos, percebe-se a concepção de que os princípios constitucionais se irradiam em todo o sistema, também sendo aplicados à respectiva fase investigatória. Longe de discutir neste momento se a expressão correta será processo ou procedimento administrativo, a palavra chave na atualidade passa a ser a busca pelo devido processo legal através de uma leitura eminentemente constitucional, garantindo-se direitos às vítimas e investigados. Neste diapasão o advogado deve exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função e com os valores que lhe são inerentes, sendo sua presença na fase de inquérito literalmente obrigatória com a necessária transparência e possibilidade de acesso a todos os documentos de uma investigação. É importante destacar que a autoridade competente poderá delimitar o acesso do advogado aos elementos de prova relacionados a diligências em andamento e ainda não documentados nos autos, quando houver risco de comprometimento da eficiência, da eficácia ou da finalidade das diligências. De outro lado não impedirá sua presença durante o inquérito e a vista dos autos, já que a inobservância aos direitos dos advogados estabelecidos implicará na responsabilização criminal e funcional da autoridade competente.Em aspectos amplos as investigações são realizadas em delegacias, inquéritos parlamentares, militares, inquéritos cometidos por magistrados ou mesmo por autoridades com foro privilegiado. A necessidade de procuração passa a ser obrigatória apenas em inquéritos sigilosos de flagrante ou investigação, sejam eles findos ou em andamento. A nova lei usa o termo “qualquer instituição responsável por conduzir investigação”. Em algumas repartições públicas por exemplo, em plena modernidade, a extração de cópias físicas e principalmente digitais pelos advogados ainda é um dilema, sendo restringida pela autoridade, o que pela letra da nova lei passa a ser declaradamente obrigatória e sem necessidade de prévia fundamentação. A lei é clara no sentido de que o advogado possui o direito de copiar as peças e a recusa implica na clara violação de prerrogativas profissionais. Porém o destaque importante da novatio legis surge justamente no fato de que o advogado passa a ter o direito de assistir a seus clientes durante a apuração de infrações, sob pena de nulidade absoluta do respetivo interrogatório ou depoimento. Uma inovação legal e técnica, já que antes da respectiva lei os profissionais advogados muitas vezes acompanhavam seus clientes em delegacias de polícia e sua presença era de algum modo menosprezada por algumas autoridades, tratada como dispensável, sem qualquer menção até mesmo no documento de intimação. Ora, nas varas do júri o advogado era dispensável para requerer, apresentar razões ou mesmo quesitos durante a fase investigatória. Agora sua presença será imprescindível e até mesmo em autos sujeitos ao sigilo o nobre causídico apresentará sua procuração. Assim a nova lei 13.245/2016 ingressa justamente na conscientização do diálogo efetivo e de vanguarda do processo penal atual, trazendo a valorização efetiva do cidadão, que através da figura do advogado será destacado como maior e mais digno cliente do país. Enquanto isso está em andamento o projeto de lei 5762/05 que dispõe sobre o crime de violação de direitos e prerrogativas do advogado necessitando ser aprovado com celeridade. Valorizar a advocacia é valorizar a cidadania.
 



Leopoldo Luis Lima Oliveira
é pós graduado em direito penal, processo penal e tributário. É Mestre em Direito Penal pela PUC São Paulo e Presidente da OAB Tatuapé.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK