Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Impressões sobre o racismo
 
Impressões sobre o racismo
08/01/2016 as 17:40 h  Autor Anderson Fernandes  Imprimir Imprimir
Diariamente casos de racismo são registrados na mídia e principalmente nas redes sociais. Tivemos recentemente uma situação com Neymar durante um jogo do Barcelona contra o Espanyol; e o desabafo do ator inglês, John Boyega, uma das estrelas de ‘Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força’, que disse estar sendo vítima de comentários racistas desde quando foi anunciada a sua seleção para o elenco do longa; e ainda a atriz Sheron Menezzes que precisou  tomar providências legais contra ataques em sua página no Facebook. Porém, essas são situações que chegam ao grande público. Acontece que temos também as agressões do dia a dia, com pessoas que estão fora do alcance da imprensa.

Apesar do brasileiro não se considerar racista, como indicou uma pesquisa do Data Popular, o preconceito - a intolerância e o ódio - é uma marca comum no cotidiano dos brasileiros. Está nas casas, nas escolas, nas igrejas, no ambiente de trabalho, em espaços públicos e privados. E como lidar com esta situação? Achei fantástico o posicionamento da jornalista Cristiane Damaceno, 25 anos, agredida nos comentários de uma foto que postou em uma rede social. Em entrevista a um jornal, ela disse que se sentiu abalada à época, mas que transformou os xingamentos em motivos para lutar contra o racismo.

Acredito que independente da ação a ser tomada frente a um caso de discriminação ou preconceito racial, o ideal é sempre se posicionar. Eu, quando tinha 16 anos, trabalhava em uma loja que comercializava móveis e eletrodomésticos. Certa vez, limpando a vitrine do local, um grupo de jovens passou e um deles gritou: “Olha outro macaco analfabeto!”.

Na época, eu estava concluindo o Ensino Médio e sem pretensão alguma de cursar o Ensino Superior. Frente aquele ato covarde eu poderia ter reagido com outra agressão; ou poderia ter ficado chateado e desmotivado; ou simplesmente poderia ter continuado limpando a vitrine. Mas a situação me fez refletir e mudar de planos. Ingressei no curso de Jornalismo e, após formado, atuo na profissão há aproximadamente dez anos e tenho um livro publicado e outro a ser lançando no próximo dia 14 de janeiro, intitulado “Nocaute”.

Acredito que ingressar na universidade e me formar em um curso de nível superior foi uma forma de me posicionar frente àquela agressão. E lançar um livro, que terá um personagem negro como protagonista da trama, é reforçar este posicionamento e principalmente contribuir com o debate sobre a questão do racismo.

Portanto, discriminação e preconceito devem ser combatidos com ações positivas, sejam elas quais for. Como bem definiu Nelson Mandela, ícone da luta contra o apartheid e o racismo na África do Sul: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar”. Então é hora de trabalhar e espalhar amor pelo País.

Anderson Fernandes, jornalista, 31 anos. É graduado em Comunicação Social – Jornalismo e tem especialização em Comunicação Estratégica pela Universidade Braz Cubas (UBC). Anderson tem passagens pelos jornais Diário de Suzano, Diário do Alto Tietê, Folha Metropolitana de Guarulhos, nas funções de repórter e editor e também realizou trabalhos na ASBS, Top Clip, AV Agência de Comunicação e Prefeitura de Suzano. É criador dos portais de notícia AT11 e Política na Hora e ganhador, em 2011, do prêmio Top Blog, categoria Jornalismo, com o Blog do Fernandes. É coautor dos livros Personagens da Aliança e Entre Quatro Poderes.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK