Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Um país fora do tom
 
Um país fora do tom
29/10/2015 as 18:12 h  Autor Levi Ceregato  Imprimir Imprimir
As denúncias de irregularidades na Orquestra Sinfônica Brasileira, relativas à aplicação de verbas do Ministério da Cultura, são evidências preocupantes do alto grau de contaminação do setor público pelos vírus da corrupção, negligência ou incompetência. Os três são igualmente danosos ao erário público e à sociedade, consumindo parcela significativa dos impostos pagos pelos brasileiros.

Em contrapartida, não há dinheiro para prioridades. Em todos os segmentos dos organismos estatais parece haver problemas decorrentes da falta de verbas. Alguns exemplos: atraso no pagamento das obras do Programa Nacional do Livro Didático (PNLB), prejudicando o mercado editorial e a indústria gráfica; atendimento médico-hospitalar precário; falta de recursos e greve nas universidades federais; suspensão do Exame Nacional de Alfabetização (ANA) e do Enade para os alunos do primeiro ano das universidades; dificuldades no Financiamento Estudantil (FIES) e no ProUni (programa federal de bolsas de estudo);  crise de água em São Paulo; descontrole do preço da energia elétrica; elevada taxa de criminalidade.

Percebe-se que o grande guarda-chuva da crise fiscal do governo está cheio de goteiras, que vão respingando nos estados e municípios, criando uma corrente de inadimplência, paralisando as máquinas administrativas e fragilizando o caixa dos fornecedores da iniciativa privada. Para estes, principalmente os que participaram de concorrências lícitas, que não pagaram propina, não têm caixa dois e contas em dólar nos paraísos fiscais, o calote estatal é muito danoso. É um dos fatores de retroalimentação da crise.

Como se não bastasse, há toda uma rede de estruturas permeadas pela corrupção. Este vício cultural de alta capilaridade jorra no petrolão (incluindo os desvios no atacado de bilhões de reais e o varejinho do pixuleco), corre pelos trilhos do metrô paulista, passa pelo escândalo das propinas na Receita Federal e culmina com as denúncias relativas à Orquestra Sinfônica Brasileira.

No cenário nacional, somam-se a condução temerária de políticas públicas, a começar pela gestão da economia e irresponsabilidade fiscal no ano eleitoral de 2014, e a improbidade enraizada nas engrenagens do Estado. Os dois problemas, agravados pela crise política, mergulham o Brasil em uma das mais difíceis turbulências de sua história e, com certeza, a mais aguda nesses 30 anos do regime democrático iniciado em 1985.

A conjuntura exige um posicionamento firme, sereno e convincente por parte da presidente Dilma Rousseff. Por isso, foi decepcionante para todos os brasileiros ouvi-la dizer que subestimou a crise e que não reconheceu em tempo a sua gravidade, postergando as medidas de contenção. Ficou no ar um incômodo ceticismo quanto ao discurso do “Sonho Brasil”, proferido em toda a campanha eleitoral de 2014, e, de quebra, perdemos o grau de investimento com o rebaixamento da nota de crédito do País.

Como a Orquestra Sinfônica Brasileira, que também parece ter desafinado na ética, nossos políticos e lideranças, com honrosas exceções, perderam o tom. Sem compasso e harmonia, semeiam o descrédito e dificultam a solução da crise. É hora de exercitar o liberalismo em sua mais pura acepção, trabalhando com foco na liberdade dos mercados. Como não se pode contar com o Estado para fomentar a economia, é preciso que prevaleça, mais uma vez, a capacidade de superação dos setores produtivos. Mudanças positivas são sempre possíveis! Nesse sentido, é grande o empenho da indústria gráfica, com suas 20 mil empresas e 200 mil trabalhadores, de contribuir, ao lado de toda a sociedade, para a retomada do crescimento.
 
Levi Ceregato é o presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional).

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK