Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A descentralização da Justiça
 
A descentralização da Justiça
04/09/2015 as 17:17 h  Autor Luiz Holanda  Imprimir Imprimir
Muito embora a cidade de Barreiras seja tropical em tudo - inclusive no calor humano-, a prestação jurisdicional ao seu povo, face a distância entre o município e a nossa capital, era obscura e precária. O sol da justiça ainda não brilhara em seu território e nas comarcas circunvizinhas. Foi preciso o atual presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Eserval Rocha, apresentar um anteprojeto de lei à Assembleia Legislativa criando a Câmara Especial do Extremo Oeste Baiano e as Varas dos Juízes de Segundo Grau para que isso acontecesse.

Esse anteprojeto se tornou lei, que, por coincidência do destino, foi promulgada por ele próprio, quando substituiu, interinamente, o governador da Bahia. Daí o seu nome: Lei Eserval Rocha, que identifica a sua própria criação. Depois de muitas lutas, incompreensões, resistências contra a Bahia e transposição de obstáculos, a Câmara do Oeste foi finalmente consolidada no dia 31 do mês de agosto de 2015, numa festa que contou, precipuamente, com o povo da região. Entusiasmado e reconhecido, o povo agradeceu ao presidente Eserval Rocha o esforço dispendido na concretização da descentralização da justiça baiana, marco histórico de sua administração.

A cidade de Barreiras, cortada pelo Rio Grande, principal afluente da margem esquerda do Rio São Francisco, é o décimo segundo município mais populoso da Bahia, centro urbano, político, educacional, tecnológico, econômico, turístico e cultural da região agrícola do nordeste. Nesse contexto de cidade polo regional, o município vem se destacando como um centro pujante de desenvolvimento, inclusive no raking dos municípios quanto ao seu IDH-M (Índice de desenvolvimento Humano dos Municípios), ocupando o décimo terceiro lugar, estando atrás, apenas, de Salvador e Lauro de Freitas.

A região onde Barreiras está localizada já pertenceu a Pernambuco até meados de 1824, quando D. Pedro I, em represália aos separatistas da Confederação do Equador, incorporou a região à Bahia. Atualmente, este importante centro conta com o seu Tribunal Regional para atender às 26 comarcas adjacentes, com uma população de quase um milhão de habitantes e mais de 2000 advogados.

Na mesma ocasião foram inauguradas a Primeira Vara Regional de Conflito Agrário e Meio Ambiente, atendendo a uma antiga reivindicação da região, além de mais uma Vara Criminal e uma da Infância e Juventude. No mesmo dia foram inauguradas a Turma Criminal da Câmara do Oeste e as obras de reforma do Fórum Tarcílio Vieira de Melo.

O primeiro presidente da Câmara do Oeste foi o desembargador Clésio Rômulo Carrilho Rosa, cuja contribuição para a sua consolidação é reconhecida por todos. Em seguida veio o desembargador Baltazar Miranda Saraiva, que o substituiu por ocasião de sua aposentadoria. O desembargador Baltazar Miranda Saraiva, eleito pelos seus pares para presidir a Câmara que ele tanto ajudou a criar, registrou esse momento histórico como um marco em sua vida de magistrado.

Se a democracia é um princípio para a constituição de um Estado Nacional, maior razão existe para estender esse princípio ao Poder Judiciário, que é um poder essencial para um Estado Democrático de Direito. Segundo Mongin, em “as fronteiras da filosofia”, somente é possível compreender a justiça como um sistema de partilha, de divisão e de concepção distributiva da sociedade. Se assim é no campo da prestação jurisdicional, assim também o é no espaço material que lhe serve de suporte para a outorga dessas prestações. Daí o empenho do presidente Eserval Rocha na descentralização da Justiça para distribuir o direito no vasto território baiano. As Câmaras Regionais vieram para ficar. A emenda constitucional 45/2004 assim permitiu, bem como os magistrados, que vêm nesta oportunidade uma maneira de dar ao povo o que de melhor a justiça baiana pode oferecer.

Luiz Holanda é advogado e professor universitário.

Artigo relacionado:
A descentralização da Justiça

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK