Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A parte que nos cabe
 
A parte que nos cabe
21/08/2015 as 18:15 h  Autor CARLOS RITTL/ANDRÉ FERR  Imprimir Imprimir
Entre os anos de 1991 e 2012, mais de metade da população brasileira teve sua vida afetada por eventos climáticos extremos. Secas, enchentes e deslizamentos de terra atingiram 127 milhões de pessoas. O número de registros cresceu 40% na década passada em comparação à anterior, segundo o Atlas Brasileiro dos Desastres Naturais. Tragédias recentes incluem a de Santa Catarina, em 2008, e a da serra fluminense, em 2011. Neste ano, um quinto dos municípios do país entrou em situação de emergência ou de calamidade pública.
 
O aquecimento global, combinado com a expansão urbana e os problemas de desenvolvimento que o Brasil já tem, permite projetar para este século um cenário sombrio, no qual o número de atingidos e o custo das tragédias para a economia só fazem crescer. E ninguém será poupado – como aprenderam os moradores de São Paulo. A ciência do clima nos deu dois parâmetros a perseguir para minimizar o dano. O primeiro é um número pequeno: 2ºC. Esse é o limite de aquecimento global que os governos mundiais chamaram de ‘seguro’ em 2009, quando concordaram em evitá-lo.
 
O segundo parâmetro é um número grande: 1 trilhão de toneladas. Isso é tudo o que a humanidade pode emitir de CO2 até o ano de 2100 para ter uma chance de evitar que a barreira dos 2ºC seja rompida. Parece muito, mas todo ano nós emitimos 50 bilhões de toneladas.
 
Esse ‘orçamento’ de carbono forma o pano de fundo das metas de redução de emissões que os governos do mundo todo deverão apresentar neste ano para o novo acordo do clima, em Paris. Essas metas são conhecidas como INDCs, ou Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas.
 
A natureza da negociação internacional cria nos governos uma disputa para ver quem consegue fazer o mínimo possível e jogar o maior esforço possível nas costas dos concorrentes. Somadas, as INDCs dos países ricos nem chegam perto de uma trajetória compatível com os 2ºC. Diante dessa baixa ambição, é de esperar que outros governos ajam da mesma forma.
 
O Brasil parece estar jogando esse jogo: os compromissos apresentados na semana passada pela presidente Dilma em Washington não sinalizam praticamente nenhum esforço de descarbonização e não se traduzem em emissões abatidas. É a receita para o desastre.
 
Para o Brasil, um esforço compatível com sua responsabilidade e sua capacidade seria chegar a 2030 emitindo no máximo 1 bilhão de toneladas de CO2 por ano. Em 26 de junho, o Observatório do Clima apresentou uma receita de como fazer isso: será preciso zerar o desmatamento – não só o ilegal, como prometeu a presidente-, limitar as emissões por uso de energia a cerca de 617 milhões de toneladas de CO2 e as do setor agropecuário a 280 milhões de toneladas de CO2.

Manter esse limite pressupõe uma ação em políticas públicas sem paralelo no país desde a era Vargas. Isso inclui recuperar milhões de hectares em pastagens degradadas, ter 60% dos carros flex rodando com álcool em 2030 e congelar a expansão das termelétricas a óleo e a carvão.
 
Se o desafio é grande, as oportunidades também são. Todas as tecnologias consideradas estão disponíveis no país. Mitigar emissões na agricultura significa aumentar a renda do produtor. Nos transportes, significa ressuscitar a indústria dos biocombustíveis. E, se falar em zerar a perda de florestas em 15 anos parece sonho, lembre-se do que se dizia há 15 anos sobre controle do desmatamento na Amazônia.
 
Não entraram na nossa conta os benefícios colaterais de tal ação: cidades mais habitáveis e menos vulneráveis, população mais saudável, um país mais verde, com maior biodiversidade e acesso aos serviços prestados pelos ecossistemas, como água potável. Para nós parece um bom negócio.
 
CARLOS RITTL, 46, é secretário-executivo da rede de ONGs do Observatório do Clima.
ANDRÉ FERRETTI, 44, é gerente da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e coordenador-geral do Observatório do Clima.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK