Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A PEC da maioridade e um governo em crise
 
A PEC da maioridade e um governo em crise
04/07/2015 as 11:09 h  Autor Rogério Baptistini Mend  Imprimir Imprimir
Há um descontentamento, com maior intensidade nas redes sociais, quanto ao caráter inconstitucional da votação da PEC 171/93, relativa à redução da maioridade penal. De repente, inúmeros especialistas em Direito Constitucional e conhecedores do regimento da Câmara dos Deputados passaram a apontar o dedo para o golpe perpetrado pelo presidente daquela Casa, Eduardo Cunha, contra a Lei e os princípios que regem o funcionamento do poder legislativo federal. O argumento é que houve uma manobra e foi votada, numa mesma sessão, matéria constante de proposta legislativa rejeitada ou prejudicada, o que é vedado pelo parágrafo 5º do artigo 60 da Constituição.

Independente do tema em discussão, que por si só reclama um debate difícil, mas necessário, sobre o tipo de sociedade que queremos ser e quais os meios adequados a esse propósito, a votação da PEC 171/93 deve ser vista como algo muito mais grave nesta conjuntura crítica que atravessa o país: o governo perdeu a capacidade de articulação política. E isso, por si só, em um regime político como o brasileiro, deve despertar a atenção, pois é traço de paralisia decisória e, o que é pior, aponta que uma saída para a crise pode ser o aprofundamento do viés patrimonialista típico de nossa cultura política.

Enquanto tempo e energia se perdem na discussão - legítima! - acerca da constitucionalidade da votação conduzida por Eduardo Cunha, o governo de Dilma Rousseff demonstra não possuir capacidade de interlocução com a Câmara, sofre com a impressionante queda de popularidade registrada pelas pesquisas e não tem apoio sequer do seu próprio partido, que segue uma lógica errática entre apoiar com decisão e ser oposição ao governo que elegeu. Nestas condições, em que falta a grande política com os seus condutores apropriados, sobra espaço para as soluções desesperadas e de curto prazo, como a utilização do Estado e de seus meios para fins privados em troca de apoios pontuais.

Infelizmente, o debate público está amesquinhado e fragmentado. Hoje, não é preciso ser especialista para perceber o rancor que divide a cidadania e dificulta a elaboração de uma saída “por baixo”, pela via da sociedade. Também, por esta via, faltam líderes não cooptados, independentes. E, o que piora e muito o cenário, nos falta uma oposição maiúscula. Por este lado, temos algumas lideranças isoladas, com pouca ou nenhuma base social.

A inconstitucionalidade da votação conduzida por Eduardo Cunha não é o problema central de nossa conjuntura. Aliás, bastaria recorrer aos arquivos para verificar que, em 1996, em votação sobre alteração nas regras da Previdência, houve acontecimento semelhante e o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu favoravelmente à legalidade da decisão da Câmara. Eis um trecho do acordão: "É de ver-se, pois, que tendo a Câmara dos Deputados apenas rejeitado o substitutivo, e não o projeto que veio por mensagem do Poder Executivo, não se cuida de aplicar a norma do art. 60, § 5º, da Constituição". O problema que deve merecer a nossa atenção é a crise que se instalou no governo e ameaça levar consigo a sociedade inteira. Já não se trata mais de salvar o governo ou o PT e o seu projeto, mas unir forças capazes de conduzir ao consenso necessário pelo bem do país. É hora de fazer política!

Rogério Baptistini Mendes, sociólogo e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK