Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Período da impunidade
 
Período da impunidade
02/07/2015 as 12:24 h  Autor Dr. Rosinha. Médico  Imprimir Imprimir
O pensar político é algo que todo sujeito (político) faz. Os objetos da política, que são muitos homens e mulheres, não pensam, são manipulados e, às vezes, desculpem o exagero, manuseados. Nos tempos atuais, tenho (como sujeito político) pensado a política muito mais que em outros momentos da minha vida e tenho feito isto por pura necessidade. Ou se pensa a política ou se deixa ser manipulado. Deixa-se ser enganado.

Nos últimos anos, a manipulação da desinformação e da política, tenho a impressão, chegou ao máximo. Juízes, policiais, promotores e tantos outros que deveriam investigar e punir os criminosos estão mais preocupados em distorcer a verdade, manipular a informação, que atuar dentro dos parâmetros que a lei impõe.

Fala-se e escreve-se sobre corrupção como se ela estivesse sido inventada na última década, como se fosse coisa inventada por Dilma e Lula. A corrupção no Brasil é antiga, é desde o “descobrimento”. Os portugueses aqui aportaram e junto veio o germe da corrupção, que nunca deixou de ser atuante. No geral, quanto mais rico, mais corrupto.

A imprensa, a direita, os hipócritas, os ignorantes e os imbecis trabalham o tema como se tivesse ocorrido um hiato na história do Brasil, como se a corrupção só não tivesse existido nos oito anos governados por Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Neste curto texto, vou lembrar alguns fatos que a história não apagará, mas parte da população (a direta, os hipócritas, os ignorantes e os imbecis), dos partidos (PSDB, DEM, PPS, PSC e Solidariedade) e da imprensa procuram apagar da nossa memória.

Nos oito anos do reinado de Fernando Henrique Cardoso (FHC), do PSDB e PFL, que depois para se esconder do povo virou DEM, a corrupção era regra e a impunidade, também. Lembro aqui, principalmente para os mais jovens, alguns escândalos.

1) Caso Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia): Logo no começo de governo de FHC houve uma denúncia de corrupção no valor de US$ 1,4 bilhão. Este caso derrubou dois ministros de FHC, no entanto nunca houve a investigação. E, lógico, sem investigação não há punição.

2) FHC criou o Programa de Estímulo à Reestruturação do Sistema Financeiro (Proer) com o objetivo de “salvar” bancos. Salvar bancos era dar dinheiro para os banqueiros. Este programa, numa decisão política, beneficiou com R$ 9,6 bilhões o Banco Econômico, cujo padrinho e favorecido politicamente foi ACM (Antônio Carlos Magalhães), aquele senador que Heloísa Helena pôs para correr.

Este caso do Banco Econômico ficou conhecido como o caso “Pasta Rosa”. Esta pasta, de cor rosa, trazia o nome de 25 deputados que foram subornados pelo Econômico. FHC mandou arquivar, afinal os deputados eram seus amigos.

3) Em 1997, foi aprovada no Congresso Nacional uma emenda à Constituição brasileira permitindo a reeleição no Brasil. Esta emenda foi patrocinada pelo PSDB e por FHC e, para aprová-la, foi necessário pagar  R$ 200 mil a alguns deputados.

É importante lembrar que os deputados Ronivon Santiago e João Maia, ambos do PFL, hoje DEM, foram acusados de terem recebido R$ 200 mil cada um para votar a favor do projeto do governo. Nunca houve investigação. No entanto, ambos renunciaram ao mandato.

O maior feito dos governos (dos tucanos) de FHC foi privatizar (vender) o Brasil. Vou citar só um negócio, o do sistema Telebrás. Na época, grampos no BNDES registraram conversas entre Luís Carlos Mendonça de Barros, ministro das Comunicações de FHC, e André Lara Resende.

O diálogo registrado nos grampos mostra uma articulação para beneficiar, através da ilegalidade, o banco Opportunity, que tinha como um dos seus donos o tucano Pérsio Arida. Só isso aí o valor estimado foi de R$ 24 bilhões.

Em 2001, eu exercia o mandato de deputado federal. FHC e sua turma, pela enésima vez, impediram a instalação de uma CPI para investigar corrupção no seu governo. Na época foram listados 28 casos de corrupção só no período de seu governo.

O secretário-geral do presidente, senhor Eduardo Jorge, foi denunciado várias vezes por corrupção. Nunca foi investigado. Só num caso, o da construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, foi denunciado o desvio de R$ 169 milhões.

O governo de FHC (PSDB) foi o período da impunidade.


Dr. Rosinha. Médico
, com especialização em Pediatria, Saúde Pública e Medicina do Trabalho, destacou-se como líder sindical antes de se eleger vereador, deputado estadual e deputado federal. Também foi presidente do Parlamento do Mercosul (Parlasul). Exerce o quarto mandato na Câmara dos Deputados, pelo PT do Paraná.
Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK