Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Ventos da história
 
Ventos da história
29/06/2015 as 14:27 h  Autor Petrônio Souza Gon&c  Imprimir Imprimir
Era a tarde de um sábado do mês de agosto do distante ano de 1976, exatamente uma semana antes da morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, quando saiu na imprensa e nos corredores do poder o boato da morte de JK. Juscelino estava com a família em sua fazendinha, em Luziânia, incomunicável, nos arredores de Brasília, vivendo seu exílio consentido, e sua amiga de todas as horas Vera Brant - irmã mais velha de meu saudoso amigo e inconfidente pós-moderno Celso Brant - sabia disso. Anos depois, ela me contou essa história, por telefone, e ainda se emocionava, muito. Abalada, Vera Brant pegou o carro com seu motorista particular, já à noite, e foi até a fazendinha encontrar com Juscelino, quando contou ao presidente a péssima nova que pairava no céu do Brasil. O ex-presidente e toda a família ficaram assustados e chocados com a notícia e com o episódio em que se viram envolvidos.

Durante a tarde daquele fatídico sábado, o telefone da casa da Vera não parou mais de tocar. Gente do Brasil inteiro ligando, amigos dela, do ex-presidente, gente do exterior, familiares, jornalistas de toda parte do mundo. O boato se avolumava e as ligações aumentavam. O clima era de angústia, consternação, constrangimento, insegurança e sofrimento. E aquela dúvida cruel pairando no ar. A notícia foi viralizada no final de semana, estrategicamente, quando muitos dos jornais já tinham fechado suas edições e as autoridades afastadas de suas funções rotineiras, pois o país se encontrava ‘desarmado’, em clima de final de semana, o que demoraria para desmentir o boato e reforçaria a dúvida, diante de um não esclarecimento imediato do fato. Tudo isso se somaria a um recall da notícia no início da semana, quanto todos retornariam aos seus postos, repercutindo ainda mais o fato natimorto.

Já era meia noite, quando Vera e Juscelino se sentaram na varanda da fazendinha de JK e miraram o horizonte infindo do país que eles não reconheciam mais. O Brasil moderno de Juscelino se sucumbira, desfigurado, em um silencioso luto. Juscelino, abatido, virou-se para sua dileta amiga de infância e como que se conversassem sentados nas calçadas de sua Diamantina eterna, falou, com seus olhos banhados em sonhos e esperança:

O que você acha que aconteceu para espalharem esse boato de forma tão violenta?”. Vera Brant matou a charada e respondeu: “Quer saber mesmo o que eu penso? Acho que fizeram um teste para verificar se haveria uma comoção no país se matassem você. Não houve porque eu não deixei que a notícia fosse para as rádios e as televisões. O pior de tudo é que eles vão pensar que ninguém se incomodou e, não sei não, estou preocupada”. Juscelino ponderou: “Eu hoje estou convencido que serei muito mais útil ao meu país morto, do que vivo. Comigo vivo, eles não vão abrir nenhuma fresta”.

O tempo passa, mas o modus operandi de quem manipula o poder continua o mesmo.

Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK