Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Chinguelingues neste hemisfério
 
Chinguelingues neste hemisfério
11/06/2015 as 10:52 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Propostas e acordos bilionários de investimentos da China no Brasil colocam em questionamento a máxima de que a América é para os americanos (como a Doutrina Monroe apregoava). Enquanto isso, o discurso de estadistas brasileiros é ambivalente. No tempo em que produtos chineses são mal vistos em nosso território como precários e baratos a ponto de prejudicar as vendas dos similares nacionais, o dinheiro que investidores chineses prometem ao Brasil enche os olhos de políticos fascinados com cifras elevadas.

A China tem investido na instalação de indústrias, para as quais também envia trabalhadores de seu próprio país, em países da África e da América do Sul. Do ponto de vista estratégico e geopolítico, tais investimentos transnacionais sacodem a base de sustentação da influência estadunidense sobre o mundo e principalmente sobre o continente americano. É curioso que a China substituiu os Estados Unidos há mais de cinco anos como principal parceiro comercial do Brasil e tem-se fortalecido na América do Sul.

Em maio de 2015, a China assinou com o Brasil um plano de investimentos de US$ 53 bilhões em setores diversos da economia, como agropecuária, mineração, siderurgia, transporte ferroviário e tecnologia de informação. Enquanto o Brasil necessita de recursos para melhorar sua infraestrutura, já que gasta quase todo orçamento público para pagar a burocracia e salários de funcionários públicos, a China quer reduzir custos de frete entre um lado e outro do mundo através de um tapete ferroviário interoceânico.

A menina dos olhos da proposta chinesa é aquilo que até hoje não se fez na América do Sul por excesso de corrupção, desavenças políticas e desintegração entre países. Chineses querem construir uma ferrovia que interligue o oceano Atlântico com o Pacífico e cruze o Brasil (desde o Rio de Janeiro até o Acre) e o Peru. Porém, bolivianos rapidamente mostraram seu descontentamento com a escolha do Peru e defenderam que a ferrovia teria um trajeto mais barato e mais curto pela Bolívia. A Bolívia disputa com o Chile uma porção territorial pequena que dê acesso boliviano ao mar. Na América do Sul, um país puxa o tapete do outro e a integração é uma utopia.

Em realidade, os sinais investidores de infraestrutura que a China emitiu em maio de 2015 aumentam a disputa entre os países sul-americanos em vez de provocar sentimentos de cooperação e integração. O caso do Brasil é passível de análise do ponto de vista de assimetrias regionais, já que é um país acusado de “sub-imperialista” e possui desigualdades entre seus estados. A ferrovia que mencionei tem finalidade diferente para os interesses do estado do Rio de Janeiro em comparação com Rondônia e Acre.

A China esclarece alguns de seus interesses na América do Sul, embora haja outros implícitos e nebulosos nessa balança de desigualdades. Nas trocas comerciais entre Brasil e China, brasileiros têm vendido matérias-primas enquanto chineses, produtos industrializados. Está claro que o Brasil não é digno de ser “emergente” nem de pertencimento a BRICS e outras modas financeiras, já que entrega seu minério, sua carne, sua soja e seus trabalhadores baratos a um país asiático insustentável e superpopuloso. O governo brasileiro poderia dar mais incentivo a produtores brasileiros para que transformem estas matérias-primas internamente e industrializem-nas.

De fato, o interesse econômico e geopolítico da China na América do Sul não é de hoje. Desde há alguns anos, já é tão sólido que se expressa no investimento chinês em áreas industriais diversas. Dou os exemplos das montadoras de veículos JAC Motors e Chery, as empresas de equipamentos eletrônicos Foxconn e Huawei, os investimentos financeiros do Banco da China, e a venda de vagões de trens ao transporte público do Rio de Janeiro.

Não é funesto que o Brasil receba investimentos estrangeiros. O problema fundamental é que nosso país abre suas pernas toda vez que um investidor mostra o maço de dinheiro. Não se avalia rigorosamente a contrapartida e as vantagens do Brasil. Por aqui, é pegar ou largar. A competição é grande entre nossos “hermanos” da “Pátria Grande”, que raramente se complementam.

Dentro do Brasil, resta-nos ouvir o ruído dos vagões que passam incessantemente com nossos recursos naturais, como nos tempos coloniais.

Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br
http://www.brunoperon.com
http://www.brunoperon.net

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK