Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > PRUDÊNCIA REPUBLICANA, PREVIDÊNCIA MONÁRQUICA
 
PRUDÊNCIA REPUBLICANA, PREVIDÊNCIA MONÁRQUICA
20/03/2015 as 20:53 h  Autor Jacinto Flecha  Imprimir Imprimir
Dois turistas em país de governo monárquico aguardaram e aplaudiram de pé, junto com um público seleto, a entrada da rainha e uma convidada de honra, ambas em trajes de gala. Quando todos se sentaram, um perguntou ao outro:

- Qual das duas é a rainha?

- A da direita, você não percebeu?

- Não percebi nada especial. Você pode me explicar?

- A da esquerda olhou se a cadeira estava no lugar, antes de sentar; e a rainha se sentou sem preocupação com a cadeira.

- Mas não entendo onde está a importância disso.

- A rainha educa bem seus servidores, e sabia que a cadeira estava lá.
Outro cenário. Em 1908, a atriz francesa Sarah Bernhardt fez uma tournée pela América do Sul. Na capital de um país que anos antes degringolara da monarquia para a república, representava no palco uma peça em que devia saltar do alto de um muro para o chão. Mas esqueceu que aquela era uma república sul-americana, saltou... e o colchão não estava onde deveria estar. Com a perna fraturada, a apresentação da peça e a tournée foram interrompidas. Sarah compreendeu muito tarde essa nova realidade, mas daí em diante recusou até o atendimento de médicos do Rio de Janeiro.

Na primeira cena, quando a convidada conferiu se havia segurança para mudar de posição, demonstrou prudência – virtude que nos leva a avaliar as condições e os riscos atuais, próximos. A previdência tem alcance mais longo, é muito praticada nas famílias e nos governos monárquicos. Demonstrou-a a rainha, preparando servidores para os movimentos da cerimônia. À atriz faltou prudência, pois os servidores eram desconhecidos. Sua perna teve de ser amputada sete anos depois.

Acredito que a imprevidência dos governos republicanos, com sua visão de curto alcance, seja a principal desvantagem em relação ao governo monárquico. Voltado para empreendimentos de longo alcance e objetivos duradouros, o monarca beneficia a população por muitos séculos, mesmo se a intenção original é beneficiar a própria família. É tão grande a interpenetração do interesse público com o interesse privado, que não se distingue onde termina um e onde começa o outro.

Os governos monárquicos são de índole familiar, estruturados ao longo das gerações, daí terem muito melhores condições para implantar projetos de longa duração. Começam a executá-los, mas muitas vezes não os concluem, legando aos descendentes essa tarefa e os seus benefícios. Nas atividades humanas, nada é perfeito, portanto está bem longe da minha intenção atribuir só virtudes a uma forma de governo e só erros a outras. Mas o fato concreto é que a monarquia sempre aproveitou a experiência do passado para dar rumo definido e coerente ao futuro. Uma realidade histórica amplamente reconhecida, sintetizada neste aforismo: O monarca pensa na próxima geração; o presidente, na próxima eleição.

Algo semelhante existe na vida dos animais irracionais. As atividades de curto prazo – republicanas, digamos – são voltadas principalmente para alimentação e autodefesa: seguem o trajeto mais adequado para agarrar a presa; memorizam o caminho entre dois pontos conhecidos, etc. Exercem também atividades de longo prazo, geralmente destinadas à perpetuação da espécie: armazenam os alimentos necessários para o próximo inverno; conhecem o rumo e o momento adequado para migrar a outro continente; constroem os ninhos onde cuidarão dos filhotes; mantêm a colmeia, com sua rainha e um batalhão de operários eficientes. Não se trata de prudência ou previdência, virtudes racionais impossíveis nos animais irracionais. São instintos, e eles nunca discutem suas obrigações, simplesmente fazem o que precisa ser feito. Não precisam que um ditador esquerdista os obrigue a isso.

O imediatismo republicano causa muitos males, muita dispersão de recursos, gastos muito além das possibilidades. Ignora assim a previdência, que as famílias ensinam na vida diária e os governos monárquicos sabem aplicar. Tudo indica, no entanto, estar fora de cogitação restaurar a monarquia, com seus grandiosos projetos de longo alcance, daí eu ter pensado em promover uma reciclagem dos políticos republicanos. Como? Exigindo deles um estágio bem prolongado (pelo período de um mandato, no mínimo) no reino animal, a fim de aprender coisas de longo prazo, esquecer imediatismos e paliativos, adaptar os gastos ao dinheiro disponível.

Não proponho nenhum absurdo, afinal já existe a Biônica para estudar os seres vivos e aplicar esses conhecimentos na eletrônica e na engenharia. Faríamos o mesmo com o estudo da vida animal, in loco e ao vivo. O objetivo seria implantar na cabeça de políticos republicanos (dentro delas – esqueça os cabelos) as ideias que conduzem a projetos importantes, de longo prazo e de grande alcance. Daríamos a essa espécie de evolução reversa o nome Darwínica, uma homenagem cheia de insinuações.

Minha primeira impressão era que esse convívio com outros animais ampliaria o descortino republicano... exceto se os outros animais estivessem com a ideia fixa e imediatista da próxima refeição. Mas o que me levou a desistir do projeto foi uma consideração de ordem prática: Imagine se os outros animais resolvem aprender os maus costumes desse pessoal, ao invés de aplicar ou ensinar o que sabem fazer.

Jacinto Flecha é médico e colaborador da Abim
Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM)

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK