Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Linguagem dos programas policialescos
 
Linguagem dos programas policialescos
30/01/2015 as 19:43 h  Autor Pedro Cardoso da Costa  Imprimir Imprimir
Inicialmente, gostaria de destacar que não acho que esses programas sejam geradores ou alimentem a violência. Essa linha de raciocínio generalizou-se, especialmente dentre aqueles que se julgam em nível superior a este tipo de programação. Nunca assistiram, mas sabem de tudo.
 
Ainda que criticáveis, programas policiais poderiam se utilizar de um formato menos apelativo, com maior interatividade e mais produtivo para a emissora e para a sociedade.

Como na televisão tudo é copiado, umas copiam tudo, outras plagiam algumas coisas e a maioria muda apenas a moldura, os programas possuem características comuns a todos e nem na guarnição se diferenciam.
 
Os apresentadores falam sempre em tom de provocação, com fisionomias de ira e palavras ofensivas aos “bandidos”. Não se atentam nem sequer que no momento do ato, por mais verídico que seja e indícios de autoria que possuam. Esses supostos “bandidos” ainda não se enquadram nesse conceito, condição que atingiriam quando da condenação.

Outro ponto controverso são os repórteres interpelando-os quando já estão sob a tutela do Estado, quando detidos em flagrante nas ruas, dentro das viaturas ou nas próprias delegacias. Não se discute a cobertura, a discussão é sobre o microfone enfiado, de forma virulenta e provocativa, na boca do “bandido”, com perguntas inquisitórias, próprias das autoridades policiais ou judiciais. E quando as respostas não lhes são agradáveis, os repórteres vociferam, com expressões de ódio e palavras ofensivas, como se tivessem esse direito ao prejulgamento.

Quando não agem assim, dos estúdios, os âncoras incentivam de forma acintosa e até com certo constrangimento os “seus” repórteres. Costumam repetir “meu” ou “nosso” repórter. Uns dizem: “vai meu filho”, outros, “chega lá” ou com outras expressões similares.

O inverso é proporcional e melancólico. Ao lado das eventuais vítimas pobres, os repórteres falam com voz empostada, sentimental, melodramática. Tratam sempre com expressões no diminutivo: as “roupinhas”, os “sapatinhos”, os “brinquedinhos”, as “comidinhas” ficaram aqui jogadas.
 
Outra prática recorrente são os apresentadores se voltarem contra as autoridades envolvidas exigindo explicações que não são possíveis naquele momento ou deixando-as por horas a fio com um microfone na boca, talvez de olho na subida da audiência. Talvez por receio a esses pontos ou para ter alguns minutos de fama, muitas autoridades, especialmente policiais, ficam lá no aguardo pelo tempo que a televisão necessitar.
 
Fica parecendo que as autoridades são funcionários exclusivos de determinado canal e não agente público. Tudo sob a batuta do direito da “sociedade” ser informada. Não se tocam que esse direito não pode interferir no direito dos agentes trabalharem tranquilos e adequadamente.

O autoritarismo e grosseria dos âncoras com relação aos colegas de trabalho fecham o ciclo das características específicas, em especial com os funcionários-técnicos. Sempre em tom áspero e de ordem seca, falam: “Sobe a tela, baixa a tela”; “abre-fecha-divide a tela”; “cadê o repórter tal”, “fala, meu filho”, “tô falando, meu filho”; “não atravessa, meu filho”. E, ainda, pedem aos repórteres para colocarem o microfone para falarem mal dos “bandidos” ao vivo. Quem e por que permitem esses abusos?  E quem disse que eles têm esse direito?

É um festival de descompostura pública que, por conta da busca por mais telespectadores, nenhum diretor reprime ou exige uma conduta mais decente e respeitosa pelos ditadores dos microfones.

Pedro Cardoso da Costa
– Interlagos/SP
Bacharel em direito

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK