Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > INSTRUÇÃO CÍVICA
 
INSTRUÇÃO CÍVICA
20/10/2014 as 18:04 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Quando me surgiu, há pouco tempo, a ideia de desenvolver a noção de “instrução cívica” para o Brasil, refleti sobre o que entendo como “instrução” e seu qualificativo “cívico”. Este texto focalizará os aspectos dessa ideia que não somente inaugura uma prática metaprofissional senão também viabiliza o Brasil e promove o bem comum dos brasileiros.

Alguns dos debates na pauta de educadores são o de como melhorar a educação nos setores públicos e privados, preparar os jovens para exames vestibulares, e aumentar o nível de escolaridade da maioria dos jovens no Brasil. Porém, há impasses entre esses educadores, como o dos movimentos grevistas que demandam apenas salários maiores para professores, e o do envio de milhares de estudantes ao exterior como caminho para reformar gradualmente os sistemas brasileiros de ensino.

Sem hesitação, afirmo que o problema da educação é estrutural no Brasil e depende, para sua solução, de brotos de cidadãos bem-intencionados que irrompam de nosso meio educacional pútrido. Logo, o aumento de salários de profissionais de educação pública e a evasão de verbas de educação brasileira para financiar universidades estrangeiras não têm provas de eficácia. É preciso repensar no papel instrutor dos que detêm legitimidade social para instruir no Brasil, mas que, nem por isso, são os únicos seres de onde os esforços educativos emanam: professores, jornalistas, escritores, pais de família, etc. Decerto, há fontes várias.

Com essa inspiração, gangues de burocratas do Maquinário tupinica entenderão que o dever de instrução grassa em todas as instituições e não depende somente do que esses profissionais do Maquinário determinam como plano ou sistema disso e daquilo. Cultura e educação são dois âmbitos que o Maquinário tem circunscrito em esferas hierárquicas de controle. Mas essa verticalização da gestão de cultura e educação tem efeitos nocivos para o Brasil. Num país tão ceifado no empreendedorismo material, só lhe resta elevar a cultura e a criatividade dos brasileiros a níveis celestiais. A muitos desses burocratas, custa reconhecer que nem toda empresa privada massacra pessoas em nome do lucro. Ao contrário, muitas delas têm papel social melhor que o do Maquinário.

Portanto, os desafios de instrução lançam-se a toda sociedade (família, escola, religião, bairro, etc.) e suplica através dela uma revisão profunda. Ainda que o brasileiro seja um ser resistente a reformas (por exemplo, poucos aceitam ser corrigidos e mudar de opinião), nosso nível de instrução é baixo e insuficiente para o propósito de criar aqui uma nação civilizada. Não demora para que nos tornemos apenas consumidores de tecnologias, para que o Brasil não produza quase nada materialmente valioso, e para que haja desentendimentos entre meio-cidadãos que se acham donos da verdade e que impõem seus julgamentos aos demais.

É assim que o brasileiro se caracteriza como intolerante a outro que seja diferente dele. Não faltam exemplos de fobias de gênero, raça e religião, como a imprensa destaca. Contudo, que poderíamos esperar de meio-cidadãos que reproduzem as podridões culturais que aprendem em casa? A única luz no fim do túnel é um renascimento cívico que nos treine ao respeito mútuo e reinvente as interações entre pessoas diferentes.

A partir desse raciocínio, esclareço também os sentidos do termo “cívico” para dar coerência à ideia de “instrução cívica” que proponho. Penso nos desafios de transformar meio-cidadãos tupinicas em cidadãos brasileiros e de estimular o orgulho patriótico de quem acredita no Brasil como terra de convergências culturais, étnicas, espirituais e sociais. Assim, o espiritualismo prevalecerá sobre o materialismo no Brasil.

Já que se fundou no Brasil um país tão grotescamente educado para o progresso material, onde indivíduos e grupos sociais se distinguem pela capacidade de posse e exibição de bens materiais, haveremos de crer ao menos na evolução anímica de sua coletividade. Porquanto dizimamos os índios e estamos em vias de aniquilar as reservas florestais, a humilhação que impusemos à natureza não oculta nossa dívida cívica.

É evidente que, com tudo que expus nessas linhas, sugiro que haja um pouco de instrutor cívico em todos nós. Até que esse senso de responsabilidade se aflore, nosso país se anuviará um pouco mais sob um nevoeiro cívico que acomoda e punge qualquer pecador meio-cidadão.

Por Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK