Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Ninho vázio, primavera, Dia da Criança...
 
Ninho vázio, primavera, Dia da Criança...
07/10/2014 as 16:46 h  Autor Luiz Carlos Amorim  Imprimir Imprimir
Hoje, um dia qualquer na Semana da Criança, estava eu fotografando meus hibiscos no meu jardim/horta - que estamos na primavera e minhas flores estão lindas e coloridas - e lembrei da minha cadela Pituxa, a nossa Xuxu, que se foi no dia seguinte ao Dia dos Pais deste ano de 2014, com quase vinte anos. Ela sempre estava atrás de mim, ou de minha mulher, mesmo estando cega e surda. Minhas filhas já estão adultas, não estão mais em casa, então Xuxu era a nossa bebê. Ela era uma pinscher mestiça - tinha as pernas não tão compridas como as de um pinscher puro e as orelhas talvez um pouco mais alertas, um pouquinho maiores, sei lá.

Estava velhinha, muito velhinha e mesmo assim era a criança da casa. Seus dentes estavam caindo, já não podia comer nada sólido, não ouvia nada e não enxergava nada, vivia batendo nas paredes e portas - tinha catarata nos olhos. Uma madrugada, faz algum tempo, ao ouvir barulhos como se houvesse alguém dentro de casa, percebemos que era Xuxu esbarrando nas coisas. Ela ia fazer xixi no banheiro e ia tomar água na cozinha e dava cabeçada em tudo. Decidimos deixar a luz do corredor acesa, o que não resolvia nada para ela, pois não enxergava. Servia para a gente ver onde ela estava.

Xuxu era a criança que não tínhamos mais e precisava de muitos cuidados. Não podia comer qualquer coisa, pois seu fígado não estava muito forte, volta e meia precisava tomar remédio.

Quando sua barriguinha começava a fazer barulho, tínhamos que dar remédio, pois ela ficava um, dois dias sem comer nada e então emagrecia muito.

Como eu disse lá em cima, ela andava atrás de mim para que eu deitasse no sofá e ela pudesse deitar nas minhas costelas e dormir. Ou esperava que pelo menos eu ou outro membro da família sentasse no sofá para que ela se aninhasse encostadinha na gente e pudesse dormir um pouquinho.

Não tínhamos nenhum presente para ela, no Dia da Criança, a não ser carinho. E apesar dos seus quase vinte anos, nossa menina velhinha era muito forte e valente e não era fácil imobiliza-la para administrar-lhe qualquer medicamento, coisa que ela detestava.

Então as cores da primavera e o Dia da Criança me dão conta de que minha filharada criou asas, não compro mais brinquedos para elas neste dia, só dá para desejar-lhes uma feliz vida, mandar um beijo, sentir saudades. Apesar de adultas, elas continuam sendo as nossas meninas, mas estão seguindo o seu caminho. Fernanda, a fisioterapeuta casou e está morando longe, em Ribeirão Preto, com o marido, e breve vai para mais longe ainda. Daniela, a bailarina, foi estudar em Portugal, fez um mestrado na área de dança e ficou morando em Lisboa. E a criança que ficou tanto tempo conosco foi Xuxu, mas também se foi. Às vezes ficava muito doentinha,  então não dormia, pois ficava a noite inteira tentando fazer um ninho em uma manta, choramingando, muito estressada. Agora o ninho está vazio.

Então, feliz dia da Criança para você, Xuxu, onde quer que esteja, certamente no céu dos cachorros, que deve haver um. Feliz primavera e obrigado por ter sido a nossa criança. Feliz Dia da Criança para todos os filhos do mundo, independente da idade que tenha. Feliz Dia da Criança para as minhas meninas, com um abraço bem apertado que eu envio daqui e que o espaço e o tempo devem se encarregar de fazer chegar até elas, pejado de carinho e de saudade.




Luiz Carlos Amorim

Escritor, editor, revisor – Http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK