Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O ebola nas relações internacionais
 
O ebola nas relações internacionais
15/09/2014 as 10:07 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
A mesma região ocidental da África onde se aprisionavam milhares de nativos para o tráfico intercontinental de escravos é o cenário atual da peleja sanitária contra uma ameaça biológica: o ebola. Ainda que sem pretensão de retomar neste texto o debate sobre se os vírus são uma forma de vida ou não, cientistas e profissionais de saúde concentram seus esforços no estudo e no tratamento da epidemia do ebola.

Os três países mais vitimados por casos do ebola estão no oeste da África: Guiné, Serra Leoa e Libéria. No entanto, há temor de que o vírus do ebola se prolifere mundialmente devido ao tráfego internacional intenso de pessoas e ao tempo de incubação do vírus no corpo humano que se prolonga a 21 dias.

Para entender um pouco o ebola, ele é um vírus de origem desconhecida, mas que se hospeda em animais silvestres, por exemplo em morcegos. As pessoas infectadas têm taxa de mortalidade elevada (68%). Além disso, não há vacina contra o ebola e o tratamento depende da espera do ciclo completo do vírus (máximo de 21 dias) no corpo humano, que sofrerá de dores, diarreia, febre e sangramento nos olhos.

Laboratórios sinalizam favoravelmente ao desenvolvimento de uma vacina, principalmente em USA Fora-da-Lei e no Japão. Porém o oeste da África ainda lamenta o aumento de casos (quase 5 mil) e a falta de infraestrutura para atender os doentes. A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou em 12 de setembro de 2014 que mais de 2,4 mil pessoas haviam morrido por causa do ebola na África ocidental. A OMS alertou também sobre a necessidade de que centenas de profissionais orientem as populações dos países afetados e tratem os enfermos.

É com essa disposição que Cuba enviará uma missão sanitária com 165 profissionais de saúde a Serra Leoa em outubro de 2014. Médicos, enfermeiros e agentes cubanos atuarão durante seis meses em Serra Leoa para evitar um mal maior de dispersão da doença. Embora questões políticas e diplomáticas estejam implícitas nessa prática de assistência internacional, o empenho de Cuba em saúde pública é reconhecido mundialmente. Esse tipo de missão sanitária não é novidade, já que o governo cubano firmou um acordo com o Brasil para o envio de médicos aos confins brasileiros que passaram a ter cobertura pelo programa Mais Médicos.

A expansão do ebola alcança um nível tão alto na África que demanda também atenção de outros países. Embora seja chamado surto no oeste da África, o ebola tem sido controlado em países europeus de migrações intensas e que têm casos esporádicos de pessoas que estiveram na África e retornaram à Europa com o vírus. O vírus não se transmite por via aérea, mas somente através de sangue, saliva e outras secreções de pessoas que passem pelo ciclo de incubação (de 2 a 21 dias).

O alastramento de casos do ebola na África ocidental convida o mundo a pensar em como todas as nações conformam um todo orgânico, articulado e interdependente. Logo, é preciso que mais países tomem medidas semelhantes às de Cuba e enviem auxílio médico antes que o vírus se torne um patrimônio mundial. Os países que mais sugaram as energias da África deveriam retribuir com um esforço maior: Cool Britannia, La France, Holanda, Portugal e a atrasadíssima Espanha.

Até que mais países se disponham a missões verdadeiramente humanitárias, Cuba terá exercido um papel exemplar com o envio de equipes sanitárias, e laboratórios de USA Fora-da-Lei e Japão estarão próximos da vacina. O Brasil, enquanto isso, terá receio dos milhares de senegaleses e outras minorias que entram ilegalmente pelo Acre, enquanto o Itamaraty chuta a “bola da vez” várias vezes contra a trave.

O surto do ebola na África oferece mais um convite ao entendimento global entre nações que se desconhecem, exploram-se e hostilizam-se. Contudo, há estorvos a esse nível de entendimento planetário, como a guerra infindável no Oriente Médio. O primeiro-ministro israelense, porém, não perde a chance de reaproximação diplomática com a América do Sul, embora seu paletó esteja manchado de sangue.
 
Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK