Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Primeira Guerra Mundial 1914 - 2014
 
Primeira Guerra Mundial 1914 - 2014
08/09/2014 as 11:36 h  Autor Paulo Roberto Campos  Imprimir Imprimir
Neste ano, muito se tem falado a propósito dos 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial, mas pouco de suas reais consequências. Iniciada em 28 de junho de 1914, com o assassinato do herdeiro do Império Áustro-Húngaro, o Arquiduque Francisco Ferdinando (Sarajevo), a hecatombe só encerrou-se em 1918, acarretando no mundo inteiro sérias consequências, profundo desmoronamento de valores morais, graves cicatrizes na civilização cristã.

Naqueles primórdios do século passado, num clima saturado de otimismo, nos faustosos salões, iluminados pelas recém-inventadas lâmpadas elétricas, dançavam-se as valsas vienenses e exalavam-se os melhores perfumes da Belle Époque. Século que assistiu as exposições universais, nas quais grandes invenções foram apresentadas, mas que também presenciou a duas Grandes Guerras Mundiais.

Na capital da “douceur de vivre” [doçura de viver], na Paris de 1900, teve lugar a primeira grande exposição universal. Visitantes de todas as origens, do Ocidente e do Oriente, admirados, lá estiveram prestando suas homenagens aos surpreendentes progressos que a técnica acabara de descobrir.

Nascia a era apoteótica da máquina. Despontava a civilização industrial e o mundo mecanizado, nos quais os homens esperavam poder viver plenamente felizes - a tecnologia resolveria todos as dificuldades, a ciência eliminaria as doenças e, quiçá, até a morte.

Essa concepção de vida é denunciada por Plinio Corrêa de Oliveira em sua magna obra Revolução e Contra-Revolução: “Auto-suficiente pela ciência e pela técnica, [o homem] pode ele resolver todos os seus problemas, eliminar a dor, a pobreza, a ignorância, a insegurança, enfim tudo aquilo a que chamamos efeito do pecado original ou atual. [...] Nesse mundo, a Redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo nada tem a fazer. Pois o homem terá superado o mal pela ciência e terá transformado a Terra em um ‘céu’ tecnicamente delicioso. E pelo prolongamento indefinido da vida, esperará vencer um dia a morte” (Parte I, Cap. XI, 3).

Com tal mentalidade entrava a humanidade nessa nova era que prometia “um paraíso na Terra”. E entrava eufórica, como ingressara a tripulação no Titanic - o fabuloso e gigantesco palácio flutuante, o “insubmergível” transatlântico, um símbolo do século XX, que, como o Titanic, por assim dizer, adotara o lema: “Nem Deus me afunda”. O Criador aceitou o desafio, como consequência, o mítico vapor jaz no fundo do oceano...

Como um em raio céu sereno, o citado assassinato do herdeiro do Império Áustro-Húngaro, executado por um anarquista sérvio, foi a centelha da Primeira Guerra Mundial. Teria sido um castigo da Providência? Por quê? Não teria sido pelo fato de ter posto a humanidade mais fé na ciência e na tecnologia do que no Criador de todas as coisas?

Pior que a própria guerra foram suas consequências: o continente europeu foi profundamente abalado por um psy-terremoto que fez tremer o magnífico edifício da civilização cristã e revolucionou os costumes. Apesar do epicentro desse psy-terremoto ter ocorrido no velho continente, seus efeitos fizeram-se sentir em todo o orbe. No Brasil, por exemplo - que tranquilo vivia até então, tendo como polo de atração a Europa e  particularmente Paris - , uma profunda modificação transformou as mentalidades e os modos de ser. Novos “valores” emergiram, os costumes mais tradicionais foram abalados, tudo em nome da modernidade lançada pelos Estados Unidos - a American way of life - , especialmente do cinema, a grande novidade da época. Hollywood passou a ser o novo polo de atração mundial.

O mundo saído das trincheiras da guerra de 1914-1918 era completamente outro. A Europa católica, a grande prejudicada - especialmente o glorioso Império Áustro-Húngaro. As suaves melodias das valsas vienenses foram abafadas pelos grunhidos do fox-trot e pelos ruídos da jazz band, oriundos da América do Norte. Usando linguagem metafórica, em artigo publicado em “O Legionário” (13-5-1945), Plinio Corrêa de Oliveira assim descreve os efeitos do pós-Guerra:

É preciso ter vivido em 1920, ou 1925, para compreender o tremendo caos ideológico em que se debatia a humanidade. A Cristandade parecia um imenso prédio em trabalhos finais de demolição. Não havia o que não se fizesse para a destruir. Aqui, especialistas silenciosos e metódicos arrancavam uma a uma as pedras, desconjuntavam as traves, tiravam as portas a seus batentes, e as janelas a suas esquadrias. Essa faina, que faziam com o mutismo, a solércia e a agilidade de conspiradores, progredia com frieza inexorável, sem perda de um instante, sem desperdício de um segundo. [...] Procuravam com o material roubado à Casa de Deus, construir em suas linhas extravagantes e sensuais, a orgulhosa Cidade do Demônio. Tudo isto não é senão alegoria. E não há alegoria, nem imagem, nem descrição que possa retratar a confusão daqueles dias de pós-Guerra”.

Paulo Roberto Campos é jornalista e colaborador da ABIM.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK