Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Por que os debates eleitorais são um circo
 
Por que os debates eleitorais são um circo
04/09/2014 as 15:19 h  Autor Erick Vasconcelos  Imprimir Imprimir
O jornalismo moderno, uma versão do ideal de Walter Lippman de intermediação dos fatos entre o público e as elites, é especialmente adaptado à produção corporativa de notícias e análises. Como observou Kevin Carson, o modelo jornalístico atual requer mínima referência aos fatos, já que os fatos não são independentemente importantes e devem ser avalizados por algum tipo de elite de “especialistas”.

Mais que um modelo de geração de conteúdo, o jornalismo praticado atualmente também é um modelo organizacional, já que ele drena o valor do trabalho jornalístico, que fica sem um ponto de referência e passa a se ater às subjetividades das opiniões daqueles que se encontram em posições específicas dentro das instituições sociais e políticas. Quando o trabalho jornalístico é despido de seu conteúdo dessa forma, ele passa apenas a propagar a validade de uma estrutura social, porque é essa estrutura que valida o jornalismo (a cobertura de protestos, por exemplo, só é validada com a opinião de um representante da Polícia Militar; a cobertura das eleições só é validada com a chancela dos representantes dos partidos estabelecidos; e assim por diante).

Assim, quando o jornalista foge desse modelo de produção e busca fontes e fatos independentes da validação dos agentes estabelecidos, ocorre uma sensação de estranhamento. Há uma fuga do que se tem como ideia do papel da imprensa e uma saída do que se internalizou como “neutralidade” jornalística. Após recentes entrevistas com os candidatos a presidente no Jornal Nacional, por exemplo, circularam muitas críticas à postura incisiva de William Bonner, que tendeu a não se prender aos assuntos autorizados do “bom debate político” (uma das ideias muito disseminadas, atualmente, é que “se deve discutir as propostas dos candidatos”, implicitamente presumindo que a própria existência dessas “propostas” seja algo desejável ou justificável, dado o histórico dos programas e projetos presidenciais).

Nessa busca pela neutralidade institucional, além disso, ocorre um cenário muito comum nas avaliações dos debates presidenciais que começaram recentemente a ocupar os horários das emissoras de TV. Depois dos debates da Band e do SBT, as análises que rodaram tendiam a não tomar como referência qualquer fato indisputável ou discussão que havia acontecido. Em vez disso, os jornalistas agem como consultores de media training, afirmando que candidato fulano estava “nervoso”, ou “se atrapalhou nas respostas”, ou “não mostrou segurança”, ou “foi duro”, ou “passa a imagem de confiança”, entre outras banalidades.

Esse tipo de avaliação não requer qualquer recurso aos fatos e implicitamente dá como certa uma passividade do espectador, que é visto como incapaz de avaliar o desempenho de um candidato e o que ele tem a dizer. Se os jornalistas presumissem um espectador ativo, eles passariam sua avaliação direta sobre o conteúdo e a postura dos candidatos; diriam que o candidato se saiu bem, que apresentou suas ideias de forma boa ou ruim, que é o melhor ou o pior entre as opções. Ao contrário, porém, sempre se imagina que existe um espectador ideal médio, que avalia certas atitudes de maneira específica, que se preocupa mais ou menos com trejeitos e discursos particulares.

Os jornalistas nunca dirão sua própria opinião sobre os políticos, com um paradigma ou ideologias claros como ponto de partida, mas vão falar que os candidatos “foram vistos” como fortes ou fracos e “foram considerados” confiantes ou inseguros. Nunca de seu ponto de vista pessoal, mas sempre do ponto de vista obscuro de um avaliador independente a que ninguém tem acesso — o espectador médio.

O próprio formato dos debates também é questionável: por que é que os candidatos têm qualquer liberdade para eleger temas de que falar? Não é implausível que os próprios políticos saibam o que é mais relevante para o eleitorado? Não seria mais razoável presumir que os postulantes — principalmente a cargos muito altos, que governam milhões de pessoas — estão divorciados das preocupações da população e mais preocupados e manter a própria posição de prestígio?

É por esse motivo que debates eleitorais, embora sejam vistos como excelente entretenimento televisivo (principalmente hoje em dia, quando carregam memes e piadas a reboque em redes sociais), não trazem qualquer conteúdo informativo a respeito da política.

Seu formato é viciado e os jornalistas, que deveriam ser capazes de prover uma avaliação objetiva das discussões, se colocam no lugar de um eleitor imaginário. E os jornalistas não são aqueles que estabelecem quais são as questões importantes a serem discutidas — são os políticos que estipulam os termos do debate, porque o jornalismo em si, da forma como é praticado, não tem validade fora das estruturas sociais existentes.

É por isso que debates eleitorais são um circo.



Erick Vasconcelos

Jornalista, ativista e coordenador de mídias do Centro por uma Sociedade Sem Estado (c4ss.org)

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK