Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Democracia: o dever de escolher quem nos ferra
 
Democracia: o dever de escolher quem nos ferra
30/07/2014 as 18:58 h  Autor João Eichbaum  Imprimir Imprimir
Pela ordem: o tacape, o mito e o embuste. Foram estes os três instrumentos de que se valeu o homem, sempre, até hoje, para assumir o poder sobre os da sua espécie.Tudo por culpa do instinto gregário do animal: foi por causa dessa verdade natural que nasceu o poder. É claro que o agrupamento de muitos animais da mesma espécie impõe regras exigidas pela sobrevivência, o instinto maior dos indivíduos. O poder se fez necessário, porque os primatas, atrelados à força gregária, se entregaram tanto àquele ato gostoso da reprodução, se multiplicaram tanto e chegaram a um ponto tal, que foi preciso organizar a bagunça.
 
Tudo começou com o tacape, para tirar da liça o adversário que pretendesse o poder. Quer como instrumento perfurante ou contundente, quer na forma de humanos feitos senhores da vida e da morte pela força dos exércitos. Ao poder conquistado pelo tacape, seguiu-se o poder abocanhado pelo mito e pelo embuste.
 
O mito é aquela coisa que ninguém explica: a herança do poder, os reis indicados ou escolhidos por Javé no antigo testamento, por exemplo. E não escapa dessa ideia de mito também o poder aristocrático e o das oligarquias, antecedentes do embuste da democracia de Drácon, Péricles e Clístenes.
 
Essa democracia nascida em Atenas não passou de empulhação. Ela só usou o nome do povo para esfarinhar o poder dos aristocratas, substituindo-os por outros privilegiados. O vulgo, que é o “demo”, lhe empresta uma falsa etimologia. E dessa falácia a democracia nunca se livrou. O povo continua de fora. Não é ele que escolhe os pretendentes ao poder. Não é ele que faz a triagem. São os partidos políticos e as leis criadas pelos próprios interessados em se manter no poder. Alguém do povo, iletrado e pobre, que chegar ao poder por acaso, se transformará em palestrante internacional sábio e rico. E deixará de ser povo.
 
Então, democracia é isso: o povo é obrigado a escolher, entre meia dúzia de gatos pingados que lhe empurram goela abaixo, quem vai ficar com o dinheiro (fruto do trabalho do povo), quem vai dizer o que o povo pode ou não pode fazer.
 
Essa é a democracia, metáfora cheia de novelas e discursos, que se usa para designar o poder dos espertalhões. É em nome dela que mofamos nas filas do SUS, nas filas dos bancos, nas filas das repartições públicas, nas filas dos pedágios, nos engarrafamentos. É em nome dela que somos mal pagos, carregados como gado, apertados e bolinados no Metrô, nos trens, nos ônibus, que somos obrigados a engolir sapos e a meter o rabo entre as pernas.
 
É o nosso dever escolher quem vai nos ferrar, quem vai lavar a égua à nossa custa, quem vai continuar a nos deixar sem segurança, fazendo leis para proteger bandidos, sem educação, sem saúde, sem emprego, sem moradia, sem comer bombom antes de dirigir, e sem o elementar direito de levar o tacape de fogo na cintura ou na bolsa. Negado para quem quer o direito à vida, o tacape só é permitido para quem quer se manter no poder.

João Eichbaum é advogado e autor do livro Esse Circo Chamado Justiça.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK