Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Para queimar o filme
 
Para queimar o filme
30/06/2014 as 07:00 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Somos espectadores do desentendimento que há entre educadores e educandos no Brasil. Gestores e legisladores, alguns dos quais sugeriram “revoluções” na maneira de educar, propuseram medidas improcedentes e polêmicas para a educação. Entretanto eles poucas vezes desceram da frente do púlpito para sentir a necessidade de quem está atrás de uma escrivaninha.

Estou preocupado com a aprovação de mais uma lei que reproduz a educação, mas não a transforma. A lei 13.006 prevê que, a partir de 26 de junho de 2014, as escolas tupinicas devem exibir pelo menos duas horas mensais de filmes tupinicas a estudantes no ensino básico. É um artigo acrescido à lei de dezembro de 1996 que determina as bases da educação nacional, e que aponta que a exibição de filmes nacionais constituirá “componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola” (http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13006.htm). Mas esta lei não muda nem revoluciona os conteúdos educativos. Muito melhor seria se esta proposta de obrigatoriedade de horas mensais de exibição de filmes tupinicas tivesse efeito nas salas de cinema em todo o Brasil. Refiro-me à norte-americanização dos espectadores com produtos culturais de Hollywood. Não deveria ser nas escolas.

Alguns problemas ficam pendentes com a aprovação da lei 13.006. O principal é que o Maquinário tupinica incha sem que seus gestores e legisladores saibam bem o que fazer para conquistar o desenvolvimento tão esperado. Além disso, o cinema tupinica teria mais uma forma de financiamento público (e de promoção, diga-se de passagem), juntamente com os incentivos da Lei do Audiovisual e os projetos da Agência Nacional do Cinema (ANCINE).

Igualmente, é preciso alertar que nem toda escola tupinica tem estrutura para exibição de filmes. Em muitas delas, haverá um televisor pequeno encima da mesa do professor, enquanto a turma do fundo evade de uma vez qualquer possibilidade de cultivar gosto pela arte. Ainda, há dúvida sobre qual será o critério de seleção dos filmes e sobre quem os escolherá: um longa-metragem que mostre a malandragem nas cidades e um curta-metragem sobre o sucesso da Copa para completar duas horas de exibição obrigatória. Tudo sob medida para cumprir rigores da lei.

Em nenhum momento, questionou-se a dificuldade de representar a arte apenas através do cinema, já que ela envolve um leque muito mais amplo de beleza e criatividade. Logo, não estou certo de que o cinema obrigatório seja auspicioso para estimular o gosto pela arte em termos de desenho, pintura, cerâmica, dança, música, teatro, e outras de suas formas. É oportuno colocar aqui que o gosto pela arte e pela cultura estimula-se com invenção e não com imposição.

Acrescento a meu raciocínio que a educação básica se oferece num momento fundamental de formação do caráter e do cidadão. A flexibilidade de jovens é maior durante esta fase. Contudo, a educação continua irradiando-se de cima (o que o professor e, pior ainda, o Maquinário acham que o estudante deve aprender) em vez de estimular a aprendizagem que emana de baixo (de que o estudante precisa para desenvolver seu gosto por arte, cultura e ciência).

É surpreendente que a lei que institui tamanha obrigatoriedade seja de autoria do senador Cristóvam Buarque, para quem a arte é basilar no processo educativo. Se este for um dos projetos para a “revolução” na educação que ele tanto defendeu durante suas campanhas eleitorais e seus discursos no Senado, queimaremos o filme. É importante que as crianças e os adolescentes se deslumbrem com as “coisas belas”, como bem apregoou o senador Buarque. Mas quem somos nós para determinar o que é belo e o que é feio, o que é útil e o que é descartável?

Deixemos que os jovens descubram o mundo sem imposição.

Assim esperamos que eles reescrevam o Brasil com invenção.

Por Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK