Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Sal em bunda de passarinho
 
Sal em bunda de passarinho
13/06/2014 as 09:30 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Entre tantas pessoas divertidas que passaram pela minha vida, uma delas animava com seus chistes e ditos até defunto. Erguia o moral das pessoas. Decerto ele era bem visto por aqueles que, afinal, levantavam a cabeça e seguiam a luta. Na minha infância, veio todo sério a contar-me que descobriu como eu poderia paralisar passarinhos para vê-los de perto. Bastava depositar um punhado de sal na bunda de um passarinho. E não é que, em minhas tentativas ingênuas de pirralho, tentei várias vezes?! Chegava perto de algum pardal com um punhadinho de sal na mão, mas ele dava uns pulos e voava.

Foi uma fase boa! Crianças têm expectativas mais amplas do mundo, mas as possibilidades que imaginam podem ser desmentidas por fatos e tropeços na vida.

Ouvimos uma história parecida quando houve o anúncio oficial de que o Brasil sediaria a Copa do Mundo. Chutou-se a trave. Diríamos ao mundo aquilo que já se espera do Brasil: um país tomado pela pobreza e fadado ao futebol. Apesar de tantas mazelas sociais, o governo federal investiria em construção de estádios e ampliação de aeroportos para o acolhimento de turistas. É curioso que logo se surpreendem com o aumento da violência e culpam a malandragem de assassinos e salteadores.

Muito distante de quem precisa de uma arquibancada de estádio e de um hotel cinco estrelas é a necessidade dos encarcerados no Brasil. O médico Dráuzio Varella deu relatos sobre o sistema prisional no Brasil em seus dois livros (Estação Carandiru e Carcereiros). Ele trabalhou por muitos anos em presídios em São Paulo e entrevistou pessoas no setor. Li o segundo, mas acho que Varella perdeu a chance de dar propostas para uma mudança no sistema que amontoa delinquentes em jaulas. Ofereço uma: são seres humanos à espera de um remédio que os retorne à vida; assim, o trabalho poderá ser um ingrediente emancipador para quem tirou indevidamente algo da sociedade.

Na contramão das medidas necessárias para sanar problemas sociais, o governo federal aparenta estar mais disposto a aumentar a repressão que a formular remédios. Mas não acho que seja o melhor caminho nem o menos custoso. É apenas o mais conveniente às elites. Desse modo, a Força Nacional de Segurança Pública tem feito um peso adicional às medidas de repressão nos estados brasileiros. Qualquer governador que veja alguma ameaça à ordem pública em seu estado pode solicitar apoio federal a repressões a ocorrências como manifestações nas ruas e rebeliões em presídios.

O Estado brasileiro tem mantido uma “pirâmide” social (no Brasil, fala-se de “classes” sociais, mas prefiro usar um termo egípcio e maia a outro que é demasiadamente europeu) através da repressão à delinquência e da sobrevalorização de seus burocratas. Ainda assim, servidores públicos fazem greves e demandam aumento de seus salários. Seria ideal que a maioria deles retornasse à coletividade a mesma quantidade de recursos (não necessariamente em termos de dinheiro) que tiram do Estado, em ente de tetas múltiplas e bem chupadas por meio-cidadãos.

Em condições semalhantes às que eu ouvi em minha infância que seria possível paralisar um pássaro se eu conseguisse depositar um punhadinho de sal em sua bundinha, o Estado brasileiro virou um ente indecifrável. O Estado está presente para tirar da sociedade (cobrança de impostos, fiscalizações e punições), mas desaparece para repor à sociedade (coesão social, educação cidadã e incentivo ao bem comum).

O Estado, porém, seria um instrumento inerte sem sua animação pelas pessoas que o constituem e o dirigem. Por isso, se nós não estivermos bem, o Estado tampouco estará bem. Somos a engrenagem de uma máquina que regula a nação.

Portanto, leitor, há que pensar no que queremos do Brasil.

Os efeitos de tanta ingenuidade poderão ser bem salgados.

Por Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK