Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Bater palmas e dar palmadas
 
Bater palmas e dar palmadas
09/06/2014 as 09:18 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Em 4 de junho de 2014, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei da Câmara 58/2014 com o nome de Lei Menino Bernardo. O uso da expressão Lei Menino Bernardo em vez de Lei da Palmada foi uma sugestão da apresentadora de televisão Xuxa Meneghel, que acompanhou os debates e fez pressão a favor desta Lei. A recomendação de Xuxa é de que familiares e educadores instruam as crianças e os adolescentes sem uso de qualquer tipo de violência. Até aí tudo bem. Batem-se palmas. Ninguém aguenta mais tanta violência neste país.

De fato, o mérito desta Lei é o de suavizar a tendência de resolver nossos problemas sociais através de repressão em vez de orientação. A segurança pública amontoa os presídios de gente até que a crise explode (veja o caso do Maranhão), os professores depositam conhecimento nos “alunos”, e movimentos sociais que reivindicam moradias são recebidos no cassetete. Agora temos a palavra final do Estado contra a agressão a crianças e adolescentes.

Antes da votação e aprovação do projeto de lei que deu origem à Lei Menino Bernardo, houve debate na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado Federal. Um dos casos que motivaram as discussões foi o desaparecimento de Bernardo Boldrini, um garoto de onze anos que a Polícia encontrou em abril de 2014 enterrado perto de uma rodovia no Rio Grande do Sul. Ainda se investigam as circunstâncias deste crime, mas suspeita-se de que seus familiares tenham cometido maus tratos que culminaram no assassinato do garoto.

No entanto, é preciso fazer as distinções devidas entre apenas maus tratos (ações que firam e imponham sofrimentos) e assassinatos de crianças e adolescentes (através de assaltos, tiroteios, violência doméstica, etc.). Ambos argumentos se utilizaram para a aprovação da Lei Menino Bernardo, mas muitas vezes a omissão e o descuido do Estado são os geradores de violência. Além disso, há vários tipos de agressão contra crianças e adolescentes que variam de acordo com a orientação de cada família e sociedade. Frequentemente se usa a violência para impor uma forma de conduta conservadora ao comportamento de crianças e adolescentes, numa relação vertical de hierarquia entre pais e filhos, educadores e “alunos”.

É importante notar que a Lei Menino Bernardo não prevê medidas punitivas contra agressores de crianças e adolescentes, no entanto ela prescreve advertências e o encaminhamento dos agressores para que façam cursos e tenham tratamento psicológico. Assim, Conselhos Tutelares regionais estarão de olho nos agressores e terão amparo jurídico para agir em caso de denúncias. Igualmente, profissionais que oferecem serviços públicos em questões sociais (e.g. assistência social, educação, saúde) deverão notificar os órgãos competentes sobre maus tratos contra crianças sob risco de serem multados. Finalmente esta é uma política que neutraliza a violência na medida em que não reprime a má conduta com repressão, mas oferece orientação.

Apesar da boa vontade dos que estão a favor da Lei Menino Bernardo, falta no Brasil restabelecer um acordo social através do qual as pessoas se unam por causas coletivas (por exemplo, serviços de saúde que sejam bons para todos em vez de cada um apenas garantir o seu) e respeitem particularidades que diferenciam uma família de outra. Portanto, a Lei Menino Bernardo deixa uma mensagem positiva através da qual triunfará o convencimento e a orientação, no entanto onera as responsabilidades do Estado em assuntos que não são inteiramente de sua conta.

Assim, esta Lei entra num âmbito particular de como as famílias devem educar seus filhos. Algumas “palmadas” são muitas vezes eficazes contra crianças birrentas (aquelas que berram em público por causa de um brinquedo e um sorvete). Portanto este é um tema polêmico que exige um debate mais profundo sobre a interferência do Estado em questões privadas.

Mudanças culturais que partem da decisão política de poucos agentes que determinam leis federais (ou seja, que são válidas em todo país) são questionáveis e nos exigem pensar no modelo de Estado e sociedade que queremos. Desse modo, refiro-me ao desafio de como estabelecer a ordem através de leis em vez de promover mudanças culturais através de orientações.

Por Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK