Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > As crenças e o grito do inocente
 
As crenças e o grito do inocente
07/05/2014 as 11:28 h  Autor Caleb Salomão  Imprimir Imprimir
Bernardo Uglione Boldrini, como toda criança, alimentava fé incondicional naqueles que tinham por obrigação lhe dar abrigo e proteção, material e emocional, física e psicológica.

Tinha absoluta fé em sua mãe. Ligado espiritualmente àquela que lhe trouxe ao mundo, via em sua presença um porto seguro capaz de lhe oferecer segurança em qualquer circunstância. Este porto seguro sucumbiu diante da violência. Psicológica, se se confirmar a tese de suicídio dentro da clínica do marido e pai; física, se se confirmarem suspeitas ressurgidas após o assassinato de Bernardo.

Roubado a sua fé na maternidade, depois do afastamento abrupto de sua mãe, sua primeira crença se dissipou. Mas a humanidade de Bernardo logo o encaminhou para uma nova fé. Nalgum momento ele depositou suas crenças em seu pai e em sua madrasta. O ex-marido de sua mãe, cujo sangue ele representava, seria o novo porto seguro. E ainda teria o amparo da nova companheira do seu pai. Pode-se imaginar o conforto emocional que envolveu Bernardo quando viu sua vida sendo recomposta: ele seria, outra vez, parte de uma família.

Não demorou muito para esta fé se revelar vã. Desamparado afetivamente a partir do exercício displicente do dever de parentalidade (que obriga todos os responsáveis pela proteção e desenvolvimento dos inocentes e vulneráveis), Bernardo viu frustrada sua crença na afetividade de seu pai e de sua madrasta. A rejeição que o vitimava dentro de sua própria casa transbordou para escola e vizinhança: o ambiente sagrado representado por sua casa não lhe oferecia aquele conforto tão desejado, o que deve ter lhe custado algumas úmidas lembranças do colo de sua mãe.

Mas Bernardo, confirmando a vocação humana, encontrou outra crença, uma nova fonte de esperança numa vida mais amorosa. Vulnerável e inocente, Bernardo fez chegar ao Estado – Ah!, o Estado, esse ser que nos protege! – as enormes ausências que afligiam sua pobre alma. Ausência de afeto, de cuidados emocionais, de atenção material e de segurança.

Os representantes do Estado, burocratas de um Direito cuja inoperância retrata a falência de uma nação, agiram segundo o protocolo, esta entidade míope que se presta a cultuar a ineficácia.

Assistentes sociais, promotores e magistrados – graduados representantes da burocracia que oprime pela ação ou pela omissão – apostaram na consciência do pai, acreditando, eles também, na possibilidade de uma reviravolta ética na vida do pai e da madrasta. Tolos!

O resultado estava escrito nos antecedentes da humanidade e sua insanidade repetitiva: num casamento macabro entre interesses materiais e desprezo afetivo, Bernardo foi assassinado, sacrificado no altar da burocracia estatal por sacerdotes do mal que exerciam o papel de pai, de madrasta e de assistente social.

Mas, é reconfortante pensar, Bernardo não tinha crença apenas nos homens e suas limitações. Bernardo também alimentava a crença naquele Ser que, de algum longínquo lugar olha por nós e oferece a proteção que este mundo por vezes nos nega.

Se todas as crenças foram vãs, Bernardo, que esta última não seja. E que você tenha, finalmente, encontrado a proteção que você tanto desejou e pela qual procurou em pai, madrasta e Estado.

Com sua triste história, Bernardo nos põe diante de uma constatação assombrosa: as instituições que nos sustentam estão gangrenadas. Todos falharam na proteção prometida ao inocente Bernardo desde sua concepção. E, tristemente, nesta fábula, voltamos ao ponto de partida: a fé num D’us cuja face desconhecemos, mas que nos dotou dos instrumentos necessários para a construção de um mundo bem diferente deste que aniquila inocentes como Bernardo. Nossa incompetência, assim como nossos medos, leva-nos de volta a D’us.

Caleb Salomão vive em Vitória, no Espírito Santo. É Advogado e professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Publicou no Brasil a obra Artigos para Amar, e escreveu outros livros também na área do direito, como o recente Constituição 1988 – 25 anos de valores e transições. Ainda este ano, irá lançar também os livros Em Busca da Legitimidade e (Des) Casando – Reflexões sobre as emoções e o direito nas separações. Acesse: www.calebsalomao.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK