Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Equilíbrio por um fio
 
Equilíbrio por um fio
21/02/2014 as 17:31 h  Autor Enio De Biasi   Imprimir Imprimir
Encerradas as contas da arrecadação tributária de 2013, adivinhem? Mais um recorde! É simplesmente espantosa a capacidade dos governos, federal, estaduais e municipais, de manter em níveis escorchantes a carga de tributos sobre a sociedade.

Tomemos a evolução comparativa dos crescimentos do PIB e da arrecadação federal dos últimos 6 anos. No gráfico abaixo, elaborado pela De Biasi a partir dos dados divulgados pelo Banco Central do Brasil e da Secretaria da Receita Federal (admitimos um crescimento do PIB, em 2013, de 2,3%), podemos observar um considerável descompasso.

Em 2008 e 2009, diante da grave crise mundial, PIB e arrecadação apresentaram praticamente o mesmo crescimento, mas a partir de 2010 houve um completo e brutal descasamento entre a realidade do produto e a força arrecadatória do governo central. Desde 2008, o PIB cresceu 19,5% em termos reais e a carga de tributos cresceu 32,6%. Não podemos deixar de destacar a impactante política de desoneração e incentivos tributários concedidos pelo governo nesses últimos 6 anos, o que reduziu sobremaneira a arrecadação. Não fosse isso, a diferença seria ainda mais acentuada.

 
 
O processo de transferência de renda no Brasil não se dá somente pelos programas assistenciais, principalmente o Bolsa Família. Faz-se a transferência, também, do setor produtivo e trabalhador para um estado obeso, perdulário e sem eficiência. O governo age como um Robin Hood travestido de Gerson (nada contra o craque da Copa de 1970!), aquele que gosta de levar vantagem. Alega precisar dos recursos da sufocante arrecadação para cumprir suas obrigações sociais, mas vale-se dela para engordar a máquina burrocrática estatal, contratar mais e mais apadrinhados políticos, emprestar (vamos receber?!) dinheiro para os amigos revolucionários de Cuba, via BNDES, subsidiar uma política econômica mal planejada e, pior, inconsequente a longo prazo, ao usar recursos do Tesouro (da sociedade) para validar sua “estratégia” de reduzir o preço da energia elétrica e minguar o reajuste dos combustíveis.

Claro que um dia vamos pagar a conta, mas aí vão jogar a culpa em São Pedro. Esse governo, do PT, está prestes a completar 12 anos sucessivos no comando do Executivo Nacional e não enxergamos um projeto de Estado. É a política por um projeto sim, mas um projeto de poder e não de Estado! Teremos mais quatro anos do mesmo?! Parece que sim, com este ou qualquer outro governante de plantão. Pobre Brasil, carente de lideranças e de estadistas, que pensem em uma Política Nacional e não em política!

Gasta-se demais e, muito pior, gasta-se mal. E os nossos problemas continuam, como chagas abertas, a ferir as ambições de um povo trabalhador e de uma classe empresarial pujante e inteligente. Saúde em frangalhos, educação de baixíssima qualidade, infraestrutura sofrível. Não cansamos de nos debater contra a mesmice da hipocrisia e incapacidade de gestão dos governantes, sem controle, sem autoridade e, para nossa infelicidade, sem perspectivas e sem estratégias. Temos muito governo e pouco Estado.

A sociedade, mesmo que de modo exacerbado e por vezes até desordeiro e criminoso, tem demonstrado sua insatisfação. Não aleguem, depois, que não foram avisados. Paciência tem limite!
 
Enio De Biasi é sócio-diretor da De Biasi Auditores Independentes
(www.debiasi.com.br)

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK