Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > “Rolezinho”: Nós vamos invadir seu shopping?*
 
“Rolezinho”: Nós vamos invadir seu shopping?*
24/01/2014 as 19:24 h  Autor Caleb Salomão  Imprimir Imprimir
Templos do consumo são profanados por hostes de despossuídos, denunciados por sua aparência estereotipada, que nega capacidade econômica compatível com as liturgias do consumo em shopping center. As hostes que cruzam fronteiras socioeconômicas e geográficas e saem de seus guetos despertam o horror e ameaçam outros territórios.

Detentores dos direitos constitucionais quiçá ameaçados encontram no Judiciário a ponderação de interesses que torna aparentemente razoável solapar os direitos igualmente constitucionais dos “hereges”. Liminares são concedidas. O Estado se alia ao poder econômico nas práticas de assepsia. Muros jurídicos erguidos pela parceria público-privada fazem reinar a paz no interior do templo.

Nada errado se os administradores dos shoppings demonstrarem inequivocamente – talvez por meio dos textos das convocações e das respostas confirmatórias de presença – que maus intentos inspiram o “rolezinho”. Diante de justo receio, pessoas devem recorrer ao Estado Judicial. É também admissível que, no território sob sua gestão, elas reprimam condutas ilícitas, observando os limites da legalidade.

Tudo errado, porém, se ausente ânimo hostil nos participantes do movimento. Os argumentos comumente usados pelos shoppings são insuficientes: revelam intuito protetivo de bens (patrimônio material e integridade física) que não estão objetivamente ameaçados. E atuar de modo preventivo, sob orientação de presunções decorrentes de preconceito de classe, promove segregação social e é incompatível com a ordem constitucional.

Se a convocação dos “rolezinhos” não incita à violência, a ausência de objetivos hostis dos participantes torna inconstitucional qualquer decisão proibitiva tomada a priori.

Apenas intenções explícitas de prática de crimes poderiam autorizar o Judiciário - num contorcionismo hermenêutico de baixa complexidade – proibir a reunião de pessoas no interior de um shopping. Afinal, para todos os fins, elas respondem a uma convocação social de fins pacíficos, ainda que se dê um contorno político (de protesto) ao encontro.

A proibição preventiva do modo como tem sido feita não traz bons augúrios. Se queremos construir a sociedade democrática e igualitária, baseada em direitos fundamentais - que está desenhada na Constituição da República - é preciso aprender a conviver com as diferenças, inclusive dentro do Templo. Admite-se a repressão do ilícito, mas não a sua presunção descabida para afastar os ditos indesejáveis.

Caleb Salomão é advogado com pós-graduação lato sensu em Direito Tributário e Direito da Economia e da Empresa e Mestrado em Direito Constitucional.

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK