Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > TRAGÉDIA ANUNCIADA I
 
TRAGÉDIA ANUNCIADA I
08/01/2014 as 19:41 h  Autor Domingos Dutra  Imprimir Imprimir
Fui autor e Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito do Sistema Carcerário. Durante 11 meses investigamos o inferno carcerário brasileiro. Diligenciamos em 18 estados. Vistoriamos 82 unidades prisionais. Conversamos com cerca de 5 mil encarcerados em mais de 500 celas. Concluímos que o sistema carcerário brasileiro é ilegal, imoral, inconstitucional e desumano. Os cárceres brasileiros se sustentam na tortura física, moral e psicológica, sendo fábricas de monstros.

O diagnóstico sobre o caos do sistema carcerário brasileiro está contido em um substancioso relatório, tendo em anexo um CD de 25 minutos com as imagens do inferno. Indiciamos 35 autoridades, dentre juízes, promotores e diretores de unidades prisionais. Apresentamos 12 projetos de leis e 42 recomendações, tais como: a realização dos mutirões carcerários; transferência de presos de delegacia e cadeias para locais próprios, obrigação do Estado oferecer trabalho e profissionalização aos presos; obrigatoriedade de realização de concurso para defensores públicos e agentes penitenciários; informatização da execução penal  e das unidades prisionais;  obrigatoriedade a uma nova arquitetura prisional, dentre outras medidas humanitárias.

Em 08 de fevereiro de 2008  diligenciamos na Delegacia de Paço do Lumiar; no CPJ do Anil, na Casa de Detenção Masculina e na Penitenciária de Pedrinhas.

Constatamos superlotação; excesso de presos provisórios; salada de presos, expressa na mistura de presos jovens com idosos; presos primários com reincidentes; presos doentes com encarcerados aparentemente sadios; torturas; alimentação apodrecida; falta de trabalho e escola; poucos agentes penitenciários; ingresso de armas, celulares e drogas; lixo, esgotos estourados; carência de assistência médica, educacional e jurídica. Por conta disto, o Presídio de Pedrinhas foi classificado como uns dos 10 piores do Brasil.

Após a CPI aprovamos no Congresso Nacional o monitoramento eletrônico; as medidas cautelares e a redução da pena pelo trabalho e pelo estudo. Pela lei, a  cada três dias de trabalho e de estudo o encarcerado reduz um dia de pena. Se o estado oferece ao preso trabalho e estudo ao mesmo tempo a cada três dias o condenado reduz dois dias de sua pena. A oferta de qualificação e trabalho garante ao encarcerado, renda para o sustento próprio e de sua família; reduz o tempo de permanência no cárcere, diminuindo os gastos para sociedade; bem oportuniza ao encarcerado ocupação produtiva após o cumprimento da pena,  reduzindo a reincidência.

Após o término da CPI, representando a Comissão de Direitos Humanos retornei ao Complexo de Pedrinhas  quando houve a sangrenta rebelião  com vários presos decapitados. Novamente ratificamos as mesmas recomendações. Se o poder público cumprisse as leis, a constituição, os tratados internacionais e tivesse executado as nossas recomendações está tragédia não teria ocorrido.

Ocorre que o Estado do Maranhão preferiu continuar na ilegalidade, uma vez que: a superlotação aumentou.  A salada de presos se agravou. O número de presos provisórios cresceu. A falta de trabalho e estudo atinge quase cem por cento dos encarcerados. A tortura e os maus tratos se generalizaram.  A desorganização administrativa radicalizou-se.

 Por outro lado, como bem me disse um preso no Estado do Espirito Santos, neste inferno tem muita gente lucrando e fazendo fortuna.  A título de exemplo cito apenas o ingresso de armas e drogas no interior dos estabelecimentos penais, facilitadas por agentes públicos mediante propina e os esquemas envolvendo as empresas que servem alimentação podre, azeda, com cabelo, baratas e outros animais a preços absurdos. O esquema das “quentinhas” impede o Estado de oferecer aos encarcerados trabalho na produção de produtos hortifrutigranjeiros para o consumo dos internos, apesar de haver terras disponíveis ao redor dos presídios.

A responsabilidade pelo caos de Pedrinhas é do Governo do Estado que não executa políticas de ressocialização; não constrói presídios regionais; não qualifica e não remunera dignamente os agentes penitenciários, não profissionaliza a gestão do sistema carcerário; reduz recursos orçamentários e desperdiça recursos federais.

O Poder Judiciário ao deixar mofando por longo período presos provisórios  sem julgamento; ao priorizar o encarceramento em detrimento de outras opções legais; ao  não realizar as vistorias mensais e ao não impor medidas coercitivas ao Poder Executivo também assume parcela de culpa pelo caos no sistema carcerário.

O Ministério Público é também parceiro desta tragédia na medida em que mantém a cultura da condenação penal e do encarceramento; ao não realizar as inspeções mensais nos termos da lei e não exercer em plenitude e com rigor as competências de ação e fiscalização conquistadas na constituição cidadã.

Diante deste caos que alcançou dimensão internacional, a sociedade e o poder público precisam compreender que, se no Brasil não há prisão perpetua e nem pena de morte, apesar de haver morte sem pena, é preciso humanizar o sistema carcerário, em cumprimento do ordenamento jurídico, mas principalmente na defesa da sociedade livre, pois hoje o preso está contido, mas amanhã ele estará comigo, contigo, com todos nós. E se o sistema teima em  fabricar monstros continuamos a pagar uma elevada conta, expressa em vidas, em patrimônio, insegurança.

O Sistema Carcerário tem solução: basta que se cumpram as leis e as autoridades sejam responsabilizadas  civil, administrativa e criminalmente pelas suas omissões. Enquanto isto não ocorrer vamos conviver com as tragédias anunciadas.

“Justiça se faz na luta”
 
Domingos Dutra. Deputado Federal

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK