Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Umberto Eco, Gordilho e as profecias sobre a mídia impressa
 
Umberto Eco, Gordilho e as profecias sobre a mídia impressa
18/11/2013 as 16:42 h  Autor Fabio Arruda Mortara  Imprimir Imprimir
A recente palestra do diretor de criação da Agência África, Sérgio Gordilho, no Festival do Clube de Criação de São Paulo, na qual salientou a importância e eficácia da comunicação impressa, corroborou opinião de numerosos especialistas no tema em todo o mundo. Dentre eles, o grande escritor e linguista italiano Umberto Eco, que, em numerosas oportunidades, vem expressando sua convicção de que o livro de papel e os meios gráficos serão perenes, pois agregam imensa credibilidade e podem ser arquivados durante séculos.

De fato, parece exagerado e despropositado o vaticínio, que se tem observado na imprensa e debates sobre o assunto, relativo à extinção do impresso e sua substituição pelo eletrônico. A rigor, como se pode concluir de modo mais isento, numa ilação com as análises de Umberto Eco e Gordilho, é que sequer há antagonismo entre ambos. São eles complementares na missão civilizatória essencial de democratizar o acesso à informação e ao conhecimento, na qual se ancora a maior e mais concreta esperança de corrigirmos os problemas da sociedade globalizada e viabilizar um futuro melhor.

É preciso romper o paradigma do canibalismo de uma mídia tecnologicamente revolucionária contra as anteriores. A história mostra que não tem sido assim, pois até hoje nenhuma dessas profecias fatídicas concretizou-se. Jornais, livros e revistas não acabaram devido ao surgimento do rádio. Do mesmo modo, todos esses meios e o cinema não sucumbiram ao advento da televisão!

A predição da vez é relativa à comunicação gráfica, que tem sido um dos principais canais do conhecimento, informação e cultura. Não há dúvida de que o e-book e demais meios eletrônicos são irreversíveis. Porém, isso não significa o fim dos impressos. Sempre haverá público para todas as modalidades dentre os sete bilhões de terráqueos.

Seria impertinente e até ingênuo, por parte das editoras, indústrias gráficas, jornalistas, publicitários, publishers e amantes da palavra expressa no papel, negar ou resistir ao avanço do e-book e tecnologias eletrônicas. Tampouco é desnecessário discorrer sobre as vantagens do livro e a comunicação gráfica em geral, sua magia, preço, peculiaridades inerentes às artes da impressão e outros diferenciais. O importante é ter consciência de que o mercado da comunicação, do jornalismo, da publicidade e do entretenimento tem espaço para todos os meios. Cabe a cada um deles desenvolver-se, agregar novas tecnologias, ampliar sempre a qualidade e se adequar às demandas de uma civilização cada vez mais inquieta e dependente da informação.

Felizmente, todos têm sido eficazes no enfrentamento desses desafios. No cinema, só a pipoca e o insubstituível encanto da telona são os mesmos. Imagem e som digitais, três dimensões e poltronas confortabilíssimas, algumas até acompanhando os movimentos dos filmes, ajudam a seduzir espectadores. O rádio, incansável prestador de serviços, atingiu níveis excepcionais de qualidade. Os livros estão cada vez mais bonitos, bem impressos, com diagramação atrativa e capas instigantes. Suas tiragens, graças à tecnologia da impressão digital, que também não extinguiu o offset, adaptam-se às mais distintas demandas, títulos e mercados. O mesmo se aplica a jornais, revistas e as infinitas possibilidades da propaganda e da publicidade impressas, como enfatizou o diretor de Criação da África e como tem preconizado Umberto Eco.

O impresso não acabará! Afinal, sucumbiria com ele o universo lúdico e confiável da tinta sobre o papel, no qual a humanidade convive há séculos, de maneira muito íntima, com sua história, cultura, literatura, ciência e todo o conhecimento que lhe permitiu sair das cavernas e conquistar o cosmo!

Fabio Arruda Mortara, empresário, é presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (ABIGRAF Nacional) e do Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo (SINDIGRAF).

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK