Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Morte em confronto é problema social
 
Morte em confronto é problema social
08/11/2013 as 15:47 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
A pesquisa da sétima edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública informa que as polícias brasileiras mataram, em 2012, quatro vezes mais que a dos Estados Unidos e duas vezes mais que a da Venezuela. Foram 1.890 brasileiros mortos em confronto com policiais, o que dá uma média de cinco mortos ao dia. O índice é mais alto nos Estados de São Paulo (563 mortes), Rio de Janeiro (415), Bahia (344) e Paraná (167). Também traz outros números que, conveniente e desapaixonadamente analisados, poderão levar as autoridades a conclusões e providências capazes de melhorar a segurança pública nacional.

Toda vez que vem a público um levantamento dessa natureza, com ele aparecem as conclusões simplistas e a velha cantilena da alta letalidade policial. Comparam nosso país com realidades diferentes e pregam soluções que aqui não funcionariam se não viessem acompanhadas de outras medidas que independem da polícia. É preciso verificar, por exemplo, quais os índices de violência urbana existentes nos EUA, na Inglaterra e em outros países citados na pesquisa para, depois, estabelecer comparações.

No Brasil de hoje, temos o crime organizado com estrutura e armamento de um exército que desafia o poder constituído. O tráfico de drogas, os sequestros, os assaltos e outras atividades criminosas se tornaram endêmicos por omissão de sucessivos e sonhadores governos que, em vez de fortalecer, retiraram o poder coercitivo do Estado, para preencher o modelito democrático. Não confundir, em hipótese nenhuma, poder de polícia do Estado com o poder para polícia, pois a polícia é mera executora daquilo que o Estado a determina fazer, e não precisa de poder para si no cumprimento de suas funções. Os policiais brasileiros, indistintamente, ganham salários insuficientes - tanto que muitos fazem “bico” e o próprio governo criou a função delegada, onde trabalham para as prefeituras nas horas vagas – e nem sempre têm à disposição viaturas e armamentos a altura do enfrentamento aos bandidos. Nesse quadro, onde a guerra civil só falta ser declarada oficialmente, são literalmente caçados e mortos pelos criminosos.

É preciso entender que a quase totalidade dos mortos pela polícia em confrontos são marginais que, em razão de um Estado fraco, a confrontam e desafiam a sociedade. Lógico que existem casos de vítimas inocentes e acidentais, mas seu número e baixíssimo e, quando ocorrem, os policiais autores são punidos funcional e criminalmente e, até, exonerados.

A função policial exige muito treinamento, empenho, equilíbrio e motivação dos seus executores. Para baixar o número de mortos em confronto são necessárias medidas sócio-governamentais. O problema é social e a clara falta de governo. Conter a polícia seria mais um desatino, o mesmo que deixar a sociedade à mercê dos criminosos...
 
Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK