Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Médicos: os “vilões” da vez
 
Médicos: os “vilões” da vez
03/09/2013 as 19:03 h  Autor Heraldo Rocha  Imprimir Imprimir
Estive analisando alguns textos essa semana e me peguei a pensar: porque só agora o Governo do PT resolveu contratar médicos estrangeiros para coloca-los em localidades onde não existe nenhuma infraestrutura básica pra qualquer profissional trabalhar. Porque só agora, depois das manifestações nas ruas, onde o povo pediu por mais saúde, mais educação e mais segurança pública é que o governo do PT que está há quase 12 anos no poder resolveu se mobilizar e atender a essa massa de brasileiros que não tem o mínimo em setores essenciais, uma vez que são esquecidos pelos poderes públicos?

Me parece, mais uma vez, repito, uma jogada de marketing para alavancar a popularidade combalida deste governo, assacado por diversas denúncias de corrupção, que cala diante de mensaleiros e que é leniente com todas as mazelas que atingem as camadas mais pobres da população brasileira. Mas para desviar o foco das atenções – já se vão meses sem que os mensaleiros condenados pela Justiça tenham sequer passado na porta de um presídio, ou que aliados presos são absolvidos pelo Congresso Nacional – os médicos são os “vilões”, a bola da vez, como se diz popularmente.

O discurso oficial é tentar fazer com que a população acredite que são os médicos que abandonaram o povo, traindo o juramento a Hipócrates, e não o governo.  Passados 12 anos deste governo, porque não investiram na interiorização da saúde, construindo hospitais, ampliando leitos, levando equipamentos e profissionais, enfim, qualidade ao interior do Estado? Agora insurgem-se contra os médicos, como se a culpa pela falta de infraestrutura fosse nossa. Sim, também sou médico. Porque somente agora é que descobriram que, no interior, existem grandes vazios necessitando de profissionais da saúde?

Será que o “desprezo” dos médicos pelo brasileiro, pelo país, pelos menos favorecidos é tão grande que não existe apenas um de nós que queira se aventurar a ir para os rincões mais distante, sem a menor condição de trabalho para, abnegadamente, ver seus pacientes morrerem por falta de estrutura para prestar um atendimento razoavelmente digno?

Se vemos nos grandes centros o abandono dos hospitais públicos, lotados, com pacientes deitados no chão, se espaço, morrendo nas filas, imagine o que não está acontecendo nos rincões mais distantes que nem hospital público existe. Porque - insisto nessa questão – o próprio governo financia ônibus e vans para o famoso programa TFD (tratamento Fora do Domícilio) fazendo com que as rodoviárias são os principais mecanismos de assegurar tratamento digno a população interiorana? Com esse TFD, o governo não reconhece que a interiorização da saúde não existe? E a falha é dos médicos que não querem ir para o interior?

Outra questão chama nossa atenção: Porque esses profissionais estrangeiros estão vindo trabalhar no Brasil sem os mesmos direitos trabalhistas de qualquer cidadão nato, e, principalmente, sem passar pelo teste que qualquer médico formado no exterior faz ao querer trabalhar em nosso país para revalidar o diploma, o Programa Revalida? Receio de submeter esses médicos às rígidas normas de conhecimentos sobre educação e saúde de nosso país? Não consigo entender. Respeito todos os profissionais, de todas as áreas, que se habilitarem a nos ajudar a construir nosso país. Mas só não entendo porque esse tratamento diferenciado para uns. O governo se responsabilizará por tudo o que venha a ocorrer com os pacientes desses médicos que não foram testados pelo próprio governo? Eis a questão!

Heraldo Rocha. Ex-deputado estadual, médico, vice-presidente estadual e presidente municipal do Partido Democratas de Salvador

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK