Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > ACADÊMICOS CRIMINOSOS
 
ACADÊMICOS CRIMINOSOS
15/08/2013 as 17:39 h  Autor Dr. Amadeu Garrido  Imprimir Imprimir
Em coluna do jornal "O Estado de S. Paulo", sob o título "Nas franjas do Black Boc", Demétrio Magnoli fala de docentes universitários que, em suas perorações acadêmicas, manifestam-se a favor da "interface da política com a arte", o que não significa a criação nobre que primeiramente nos vem à mente, mas depredações de equipamentos bancários: um símbolo de destruição financeira, a significar a opressão capitalista.

Felizmente são minoria em extinção, tanto que o articulista cita nomes de professores italianos do passado, mas suficientes para influenciar o ainda impreenchido cérebro dos jovens que se lançam a essas loucuras e descambam para o terrorismo. A "ação direta" e a "violência simbólica" foi disseminada nos anos de chumbo italianos (1970) pelos grupos "Potere Operaio", "Lotta Continua" e "Autonomia Operaia", que posteriormente desaguaram nas "Brigadas Vermelhas" e em seus atos de terror. Entre as vítimas, Aldo Moro, sequestrado na Via Fani, Roma, em 16 de março de 1978 e cujo cadáver foi entregue meses depois; esses grupos extremistas ainda celebraram a "maravilhosa beleza do 12 de março", assassinato  de um policial, em Turim, pelo grupo "Prima Linea", em 1977. Entre os mestres do terror, são citados Toni Negri e Franco Piperno. O primeiro pregava a violência e as ações de massa, sob o entendimento de que o mínimo ato subversivo é suficiente para abalar o sistema; o segundo pregava a combinação entre os dois atos terroristas acima citados.

Ambos foram condenados em primeira instância e absolvidos pelo Tribunal. Nesse ponto, reside o reparo que nos parece necessário ao artigo de Demétrio Magnoli. Aparentemente (não conhecemos suficientemente a lei italiana vigente à época) a razão esteve com os juízes de primeiro grau.

Para condenar-se alguém que, direta ou indiretamente, esteve envolvido numa ação terrorista, não é preciso que, embora não tenha sujado as mãos, tenha sido, pelo menos, autor intelectual do desatino, mediante a emissão de uma ordem ou equivalente. Basta que, do alto de sua cátedra e por vezes com suas vestes talares, tenha feito apologia do fato criminoso.

São conhecidos os intelectuais de proa que se integraram aos movimentos de massa. Estes, pacíficos, são salutares; com efeito, o sistema precisa ser chacoalhado, como ocorreu nos idos de junho em nosso país. O que não se pode admitir é a influência e o estímulo à violência, nunca justificável, seja do lado do governo, seja do povo. Política se faz com o debate na "polis", não com a destruição da cidade.

Jean Paul Sarte, em 1968, imprimia suas convicções filosóficas no cérebro de muitos jovens que protestaram nas ruas. Não consta, porém, que o mestre do existencialismo tenha pregado a destruição da existência de quem quer que seja. Tanto que o General De Gaulle, incitado por um de seus ministros a determinar a prisão de Sarte, respondeu: "não se prende Voltaire".

As convicções acadêmicas não podem ser cerceadas, sob pena de grave violação aos princípios democráticos. Há de se respeitar as posições que atacam o capitalismo, o Estado atual e fazem proposituras de outros modelos de vida social, assim como esses pensadores devem defender o direito de seus adversários de defender suas opiniões.

Algo bem diverso, porém, é a apologia de fato criminoso, tipificado em nosso Código Penal. Somente ela basta a uma condenação, não é preciso que o acusado tenha sido autor de uma ordem à perpetração do desatino. E assim deve ser. Sabemos quanto a juventude é influenciada por seus mestres, o que deles retira seu encaminhamento para ações tresloucadas, que produzirão vítimas e os levarão aos cárceres, enquanto os intelectuais que os incentivaram (idiotas vestidos de preto, segundo o articulista) continuarão com suas elucubrações iluminadas.
 
Dr. Amadeu Garrido é advogado.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK