Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Dilma X Serra: A Revanche?
 
Dilma X Serra: A Revanche?
11/07/2013 as 16:17 h  Autor Alcides Leite  Imprimir Imprimir
Com o desgaste do governo Dilma, surgem análises políticas até então impensáveis. Antes da mobilização popular das últimas semanas, era dada como certa a reeleição da presidente. A dúvida era se a fatura já seria decidida no primeiro turno ou não. Os mais ousados chegavam a afirmar que poderia haver um segundo turno entre Dilma e Aécio Neves. Estes, no entanto, garantiam que a presidente era franca favorita a vencer o pleito.

Depois das grandes passeatas, as análises mudaram. Hoje todos acham que a eleição presidencial do ano que vem somente será decidida num segundo turno. A maioria ainda pensa que Dilma tem presença garantida nesta fase da eleição, afinal, há tempo para ela se reerguer, dado o poder de fogo do governo federal. Ninguém, no entanto, se arrisca a afirmar quem, da oposição, disputará o segundo turno.

É evidente, também, que se fala na possibilidade da volta do ex-presidente Lula. É difícil. Somente um desgaste fulminante da presidente Dilma viabilizaria esta solução. E mesmo assim, me parece que Lula não cairia nesta tentação. O risco seria muito grande. Ele teria muito a perder e pouco a ganhar.

Com a queda de popularidade de Dilma, a crença de que ela não é imbatível e a falta de um candidato favorito na oposição cria-se o cenário propício à pulverização das candidaturas. Os principais partidos aliados do PT começam a se perguntar: Por que não lançar candidatura própria e ver no que dá? De qualquer modo poderemos compor no segundo turno, vença quem vencer! Nos partidos da oposição ocorre o mesmo: Por que ir para a eleição somente com um candidato?

Neste quadro, não seria impossível ao PSB, PDT, PP, PMDB, PTB, por exemplo, decidirem lançar candidatos a presidente. Eduardo Campos, do PSB, já atua como tal. Na oposição surge a chance de José Serra ser candidato pelo PPS (ou MD), concorrendo com Aécio Neves, pelo PSDB e Marina Silva, pela Rede. Somente os Democratas teriam dificuldade de lançar um nome.

A pulverização das candidaturas favorece, por um lado o governo, que abalado, mas não fulminado, ainda tem força, e um candidato da oposição: Marina Silva, Aécio Neves ou José Serra. A candidatura de Eduardo Campos ficaria prejudicada, pois não é de governo nem de oposição.   

Acredito que, o candidato da oposição que se firmar verdadeiramente como contraponto ao governo Dilma terá mais chance. Marina Silva, que ganhou muito com as últimas manifestações de rua, tem um passado muito ligado ao PT e não tem um discurso muito claro de oposição. Aécio Neves ainda não apareceu como um crítico contumaz do governo Dilma. José Serra tem uma imagem mais consolidada de opositor. Ele concorreu com Dilma na última eleição. Ademais, o pequeno PPS tem sido o único partido realmente de oposição no Brasil. Roberto Freire, seu presidente, não hesitou em classificar o projeto Lulo-Petista de autoritário, de feições fascistas.

A derrota de Serra na eleição para prefeito de São Paulo não o enfraqueceu como candidato a presidente. A eleição municipal segue outra lógica da eleição federal. Além disso, quem foi derrotado não foi o José Serra, e sim o seu projeto de esquentar a cadeira até a nova eleição presidencial. O paulistano sabia que Serra não iria se contentar em ser prefeito.

Faltando mais de um ano para a eleição presidencial tudo ainda pode acontecer. Mas, quem diria, há um mês, que uma revanche entre José Serra e Dilma Rousseff seria possível?

Alcides Leite é professor da Trevisan Escola de Negócios

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK