Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > PARALAXE DE CIDADÃOS
 
PARALAXE DE CIDADÃOS
08/07/2013 as 10:53 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Boa parte das demandas que irromperam dos protestos de junho de 2013 no Brasil sugere um reforço dos compromissos do Estado com os brasileiros. Porém, o cuidado que se deve ter diz respeito a como entendemos quais são as responsabilidades do Estado como garantidor do interesse público enquanto as nossas são como cidadãos independentes. Noutras palavras, devemos cobrar menos dos outros e agir mais para conquistar o país que queremos.

A máfia do papel prevalece sobre a saciação das necessidades sociais no país. Exemplo disto é a reação xenófoba de médicos brasileiros à contratação de médicos estrangeiros para trabalhar em regiões carentes, pobres e remotas. Exigem a revalidação de seus diplomas e discriminam-nos por ser de pior qualidade. Pouco lhes interessa revelar que médicos brasileiros nem sempre se disponham a trabalhar em regiões longínquas, ou que muitos destes médicos sejam cubanos (onde sua medicina é das mais desenvolvidas no mundo).

Outra situação é quando caminhoneiros interditaram 92 trechos de rodovias em vários estados brasileiros nos primeiros dias de julho de 2013. Suas demandas principais têm relação com a diminuição dos custos de transporte (combustível, pedágio) e melhoria dos seus direitos trabalhistas. O modelo de concessões de rodovias públicas a empresas privadas e a variação de preços de combustíveis em função do mercado exigem um debate com a sociedade.

Embora o Estado se entenda mal como provedor de todos os serviços (nem sempre coletivos), ele deve orientar sua burocracia ao dever de garantir o interesse público. Este conceito último precisa de esclarecimentos, uma vez que o Estado não é o único agente que o promove. Há associações comunitárias, empresas privadas, movimentos sociais, organizações sem finalidade lucrativa, entre outros, que direcionam suas atividades à promoção das coletividades.

Temos uma ideia preconcebida de que o Estado deve prover-nos quase tudo (tarifa zero, salários mais altos, benefícios) enquanto contraditoriamente queremos que baixe os impostos (como o painel Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo sugere). Para seguir este modelo de Estado, não haveria outra maneira de tirar dinheiro que da cartola de um mágico ou das meias de um político corrupto. Precisamos, ao contrário, ativar nossa cidadania a fim de cumprir bem o papel que nos cabe a cada um; deste modo, pensaremos menos no interesse próprio e mais no interesse coletivo.

Os movimentos de protesto que emergiram no Brasil em junho de 2013 têm a característica de sustentar causas e insatisfações múltiplas, mas se direcionam amiúde contra inimigos não-identificados. Ora os protestos se dirigem a políticos corruptos (bradando "Fora Renan") e à ineficiência do Estado (propondo "reforma política", "mais saúde e mais educação"), ora à exploração de empresas privadas (pedágios abusivos, preço alto de combustível).

O que notei neles é que há uma tendência de as massas seguirem apologias enérgicas e acusações infundadas, como o mal-entendido projeto de lei que se alcunhou "cura gay". Por culpa nossa, as bolinhas de sabão de nossa meia-cidadania sopram-se por meios de comunicação hegemônicos e oportunistas que aguardam sua oportunidade de agir contra o interesse público.

Sendo assim, o balanço dos movimentos de massa de junho de 2013 no Brasil, que começaram pelas redes sociais na Internet e amansaram-se pela imprensa, tem menos a ver com democracia que com um conflito de paralaxe de cidadãos.

Ao sairmos às ruas e situarmo-nos como manifestantes, descobrimos que não somos "baderneiros", "vândalos" e "agitadores" como a televisão nos desenha. Em vez disso, todos temos alguma demanda política séria a fazer para que o Brasil melhore. Cansamo-nos de viver sob aparências e enganos.

Por Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK