Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Desenvolvimento e Paz
 
Desenvolvimento e Paz
28/06/2013 as 16:21 h  Autor Ruy Martins Altenfelder Silva  Imprimir Imprimir
As reflexões de um dos incontestes líderes mundiais – cujas palavras transcendem a expressiva comunidade católica (perto de 1,2 bilhão de pessoas no mundo, segundo o Anuário Pontifício) – traçam um cenário perturbador nascido da atual tendência de alijar o conceito da ética da finalidade maior do esforço humano, que deveria ser a busca da felicidade e da justiça nas relações sociais, e não simplesmente do lucro de vários tipos a qualquer preço, em prejuízo de uma concreta sustentabilidade do desenvolvimento. Na encíclica Caridade na verdade, o papa Bento 16 diz que, quando prevalece o primado da técnica, a consequência é uma tremenda confusão entre fins e meios: o empresário considerará o máximo lucro na produção; o político, a consolidação do poder; o cientista, o resultado de suas pesquisas; e assim por diante. Em consequência, sob a rede das relações econômicas, financeiras ou políticas, vicejam incompreensões, contrariedades e injustiças; os fluxos dos conhecimentos técnicos se multiplicam em benefício de seus detentores; enquanto as condições de vida das populações que vivem sob tais influxos – e quase sempre na sua ignorância – permanecem imutáveis e sem assegurar efetiva possibilidade de emancipação.

Não é deste século a preocupação da Igreja com a questão do desenvolvimento e da justiça social, tanto que esse é tema tradicional e recorrente das influentes encíclicas papais. Já na Páscoa de 1967, Paulo VI lançava a encíclica Populorum progressio na qual, ao propor ações estratégicas visando à universalização dos benefícios do desenvolvimento, alertava que “as excessivas disparidades econômicas, sociais e culturais provocam, entre os povos, tensões e discórdias, e põem em perigo a paz”. Neste início de século, é cada vez mais evidente que a escalada dos conflitos entre países, entre etnias, entre comunidades religiosas encontra um fértil alimento na pobreza e nas desigualdades de todos os tipos. Cenário que torna extremamente atual a afirmação da Paulo VI na mesma encíclica: “Combater a miséria e lutar contra a injustiça é promover não só o bem-estar, mas também o progresso humano de todos e, portanto, o bem comum da humanidade.” Para ele, a paz não se reduz a uma ausência de guerra, fruto do equilíbrio sempre precário das forças e, sim, constrói-se, dia a dia, na busca de uma ordem que traga uma justiça mais perfeita entre os homens.

Essa visão da paz não pode prescindir da ética – hoje um valor condenado a uma  marginalização que contamina os princípios que deveriam reger as relações internacionais. Bento 16 identificou o grande risco de a paz ser considerada uma mera produção técnica, fruto apenas de acordos entre governos ou de iniciativas tendentes a assegurar resultados econômicos. Com isso, fez eco a Paulo VI, que considerava os povos os autores e primeiros responsáveis pelo próprio desenvolvimento, num esforço que envolve, além dos governos, a atuação de famílias bem estruturadas e de organizações profissionais, responsáveis pela tarefa educativa voltada à formação integral das pessoas. Aliás, ele considerava a educação de base o primeiro objetivo de um plano de desenvolvimento, pois “a fome de instrução não é menos deprimente do que a fome de alimentos”.

As palavras dos pontífices levam à reflexão, sendo impossível não concordar com a advertência comum a eles de que o desenvolvimento econômico e social ficaria comprometido sem o respeito à verdadeira escala de valores. Escala essa que é ditada pela ética, cuja prática resulta na desejável união do progresso técnico e econômico à construção de uma sociedade mais justa e humana. Uma sociedade propícia à realização de cidadãos plenos, com acesso garantido à educação, ao trabalho e à liberdade como fatores primordiais da busca pela felicidade. Em resumo, como concluiu o papa Paulo VI, desenvolvimento é o novo nome da palavra paz.

Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente do Conselho de Administração do CIEE e membro da Academia Cristã de Letras.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK