Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Na política ou na empresa, quando o líder precisa ser autoritário?
 
Na política ou na empresa, quando o líder precisa ser autoritário?
26/06/2013 as 14:46 h  Autor Alexandre Prates  Imprimir Imprimir
As manifestações pelo País geraram (por enquanto) pequenas mudanças concretas. No entanto, incitaram uma grande inquietação na população e um enorme desconforto no poder público. Incômodo este que tem gerado discussões intermináveis sobre os caminhos para atender às reivindicações da grande massa que toma as ruas.

A questão é que, no Brasil, as discussões tendem a esfriar e corremos o risco de perder tudo o que foi conquistado pelas sérias mobilizações. Isso não é diferente quando comparamos com o mundo corporativo, com as empresas. Um dia ouvi de um empresário americano algo que me fez repensar o meu modelo gestão: “No Brasil, as reuniões são intermináveis, se discute muitos assuntos, se definem inúmeras ações, mas, infelizmente, pouco ou quase nada é executado!”. Quem participa de muitas reuniões no dia a dia sabe do que estou falando.

E porque isso acontece? A resposta é simples: falta liderança! Falta alguém que saiba conduzir uma reunião, que crie sistemas para cobrar as pessoas, que assuma a responsabilidade. E não estou falando aqui de UM líder, e sim de lideranças, de pessoas que abracem as decisões e as transformem em resultados. Mas, para isso, é preciso comprometimento das partes envolvidas e nas empresas, atualmente, tem faltado isso. Imagine em um país do tamanho do Brasil.

É nessa hora que UM líder faz toda a diferença. No seu último pronunciamento em cadeia nacional e também no seu discurso no dia 24 de junho, a presidente Dilma Rousseff adotou um comportamento que, aos olhos de muitos, transpareceu um ato de autoritarismo. Ao propor pactos para governadores e prefeitos sem ter combinado nada anteriormente, ela encurralou os políticos de maneira geral. Isso gerou críticas de todos os lados.

Não estou aqui defendo as ideias apresentadas pela presidente, mas sim apontando um comportamento vital para um líder contemporâneo: a tomada de decisão.

Eu sou um defensor da gestão participativa, da escuta ativa, da discussão de ideias, mas o mundo corporativo me ensinou que mais importante do que o consenso é a decisão. Alguém tem que decidir, alguém tem que ouvir as opiniões – prós e contras – e ter a coragem de dizer o que será feito. Um líder que busca o consenso e quer agradar a todos é perigoso. Quando me perguntam qual é o pior líder que uma empresa pode ter, minha resposta é sempre a mesma: “O líder que não decide!”.

No exemplo citado acima, a presidente assumiu para si a responsabilidade pelas ações propostas. Se der certo, muitos farão uso desses resultados em seus programas políticos, dizendo o quanto participaram dessa revolução. Se der errado, também utilizarão, mas degradando a imagem de quem as propôs. E não tem jeito, é assim que as coisas são. Quem decide toma para si as consequências dos seus atos. A questão é que uma empresa, uma sociedade, um projeto ou um país é feito por líderes que decidem. Líderes que erram, precipitam-se, persistem, acertam e constroem.

A liderança por vezes é solitária e você precisa entender isso e saber conviver com críticas, desentendimentos, discussões. Você jamais agradará a todos, jamais! Portanto, um líder precisa ser autoritário quando uma decisão precisa ser tomada e alguém tem que assumir a responsabilidade!

Se você ouviu as pessoas, reuniu opiniões e está certo de que está tomando a melhor decisão, siga em frente! Decida, delegue e envolva as pessoas. Nunca justifique a sua decisão com “Eu sei o que estou fazendo!”. Mostre que a decisão pode não ser um consenso, mas que é o melhor a ser feito naquele momento.

E uma última dica: seja autoritário quando for preciso, mas não faça disso uma constante. Não se acomode com a posição de decidir sempre, pois, além de prejudicial para a sua imagem, você pode criar um time dependente, lento e sem a capacidade de assumir a responsabilidade.

Por Alexandre Prates. Especialista em liderança, desenvolvimento humano e performance organizacional. É também Master Coach, palestrante, sócio-fundador do ICA (Instituto de Coaching Aplicado) e sócio do Grupo Alquimia, consultoria especializada em franquias. Escreveu o livro "A Reinvenção do Profissional - Tendências Comportamentais do Profissional do Futuro" e é autor da metodologia de coaching "Inteligência Potencial".

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK