Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Internação compulsória de moradores de rua
 
Internação compulsória de moradores de rua
10/06/2013 as 10:09 h  Autor Pedro Cardoso da Costa  Imprimir Imprimir
Todos têm conhecimento por meio dos meios de comunicação que moradores de rua existem no mundo todo, porém bem mais presente nos países pobres e em desenvolvimento. No Brasil parece ter se transformado numa catástrofe. Está vigente em todas as cidades e regiões do país.

Assim como as drogas, as causas que levam pessoas a preferirem as ruas a conviver num lar são diversas; mas a solução se funda nos seus efeitos. De comum só a predominância de problemas mentais na maioria dos moradores, seja no momento de optar por viver nas ruas ou em decorrência de uma realidade cruel.

Essas pessoas são desprovidas de razão para viver. Com o passar do tempo deixa de cuidar até da higiene pessoal. Vivem muito sujas, desvinculadas dos familiares e numa solidão profunda. Isso é a regra, exceções devem existir, mas de difícil percepção. Dentro de uma normalidade ninguém trocaria um cobertor quente e cheiroso pelo frio enrolado num “molambo”, não permitiria  a troca da proteção paterna por um risco iminente de abandono e solidão das ruas, mas quando se opta pelas ruas é porque já falta grande parte ou tudo isso.

Ainda que alguns sustentem por puro ego, o morador de rua foi desamparado em grande parte da vida e escolheu as drogas como válvula de escape. No início, vendeu com soberba e arrogância a ideia de ser imune aos efeitos e que pararia quando quisesse. Nesse momento, a família fica em segundo plano por ser careta, e os verdadeiros amigos também. Prevalecem os amigos da droga, seus futuros companheiros de rua, para quem escapou do cemitério antes. Sobra a revolta, a culpada é a família que não o compreendeu, todos aqueles que foram ironizados passam a ser responsáveis pela sua desgraça e a rua é o que sobra.

Não se chega às ruas sem se ter passado por um longo caminho de equívocos, cujo responsável principal é do próprio indivíduo. Esses erros pessoais não retiram do Estado a obrigação precípua de protegê-los e da sociedade de ajudar nesse processo.

São recorrentes ações paliativas, a começar pelos órgãos de Assistência Social dos governos estaduais e municipais que distribuem marmitas, roupas e agasalhos. Essas pessoas precisam bem mais do que bens materiais. É preciso reconhecer que a maioria esmagadora sofre de distúrbios mentais. Elas precisam de atendimento médico. Faz-se necessário a criação de políticas públicas para sanar o problema ou ao menos diminuir substancialmente os moradores. Uma iniciativa a ser testada seria a internação compulsória para tratamento psiquiátrico ou psicológico, semelhante à internação dos viciados em droga, em que fatalmente chega quem vive nas ruas.

Por ideologia pura, muitos são contra a intervenção estatal sob o argumento respeitável do risco de se retirar a liberdade, a única coisa boa que ainda lhes resta. Além de ainda estarem expostos a sofrerem arbitrariedades e maus tratos.

Mas aí é ir longe demais, pois os ambientes precisam ser saudáveis e adequados ao tratamento de recuperação, com profissionais altamente capacitados em suas especialidades e escolhidos a dedo. Jamais se defenderia apenas a criação de mais instituições para jogar dinheiro do contribuinte no lixo, ou para funcionar apenas como propaganda eleitoral do governo de plantão.

Antes de qualquer internação, seria preciso uma avaliação médica para atestar que aquelas pessoas não são mais capazes de ressocialização por si. Por isso, após a recuperação seria necessário ações afirmativas para reinserção ao mercado de trabalho. Essa análise deve ocorrer independente da vontade do morador de rua. Em sã consciência, ninguém mora na rua por livre escolha.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP
Bacharel em direito

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK