Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > DE HERÓIS E SONHOS
 
DE HERÓIS E SONHOS
22/05/2013 as 17:03 h  Autor Ruy Martins Altenfelder Silva  Imprimir Imprimir
O recente transcurso dos 12 anos da morte do governador Mario Covas – um político que, acima de tudo, honrou seus mandatos e seus eleitores – motivou a lembrança do famoso diálogo entre dois personagens da peça Vida de Galileu, do dramaturgo alemão Bertholt Brecht (1898-1956).  Um deles lamenta: “Infeliz do país que não tem heróis”; o outro rebate: “Não, amigo, infeliz do país que precisa de heróis”. Os vergonhosos casos de corrupção ocorridos nos cinco séculos de história e os graves problemas éticos que pipocam no dia a dia demonstram que, apesar dos  esforços e avanços verificados na ética e na valorização da cidadania, lamentavelmente  o Brasil – e também de dezenas de outros países, em toda escala de desenvolvimento – ainda se enquadra na fala do segundo personagem: “infeliz do país que precisa de heróis”. Medida da importância da ética: a alta comissária da ONU para os direitos humanos divulgou que os fluxos financeiros ilícitos, oriundos do desvio de dinheiro por atos de corrupção, atingiu a cifra de 8,44 bilhões de dólares entre 2000 e 2009.

Pensando melhor, talvez as nações não necessitem exatamente de heróis. Afinal, ser ético, correto e honesto é o mínimo que um cidadão (na acepção plena da palavra) deveria oferecer à sociedade em que vive, seja ele político ou não. A ausência de ética, com todas as suas consequências, é ainda mais danosa, quando a vítima é um país em desenvolvimento, como o Brasil, onde ainda há tanto a fazer. Ou alguém duvida, por exemplo, de que todo o dinheiro drenado pela corrupção, se bem investido teria possibilitado um avanço maior e mais rápido rumo a um país mais moderno, menos desigual e melhor equipado para assegurar a sustentabilidade de seu desenvolvimento?

Quando, nos poderes constituídos e no tecido social, há a prevalência de interesses pessoais, corporativos ou de grupos sobre as demandas mais legítimas da sociedade, macula-se a democracia, aprofundam-se as desigualdades e dissemina-se a descrença na justiça e nas instituições. Nos regimes de democracia plena, quando recebe o poder pela força do voto, o cidadão eleito deve exercê-lo, pautando-se por inabalável consciência ética. É fundamental resistir às tentações inerentes ao poder, repudiar, denunciar e punir os corruptos e corruptores para evitar a repetição de vícios milenares. Essa é a parte dos políticos em cargos representativos. Já a tarefa de cada um dos cidadãos eleitores seria recorrer à consciência cívica para depurar, pelo exercício do voto, o universo dos cargos eletivos.

Infelizmente, esse é o cenário ideal da cidadania, não o retrato da realidade neste início do século 21. Entretanto, há sinais animadores no horizonte que, se vierem a constituir uma saudável tendência, poderão se resultar no saneamento da cena política e das suas interfaces com poderosos segmentos da sociedade. Diante das primeiras denúncias do escândalo que viria a ser conhecido como mensalão, poucos brasileiros duvidavam de que o caso terminaria em impunidade, como tantos outros. Oito anos depois, o Supremo Tribunal Federal, consagrando o princípio maior de que a lei é (ou deve ser) igual para todos, está calculando a pena a ser imposta aos réus considerados culpados. O grande arranhão na impunidade quase certamente é o mais benéfico efeito da Ação Penal 470, relatada de maneira exemplar pelo ministro Joaquim Barbosa e examinada com competência jurídica e visão ética pela consagradora maioria de seus pares.

Lembrando agora um escritor nacional, Monteiro Lobato dizia que "tudo tem origem nos sonhos. Primeiro sonhamos, depois fazemos”. E todos os que sonharam com uma Brasil mais ético começam – e esperemos que essa visão não esteja distorcida por excesso de otimismo – a vislumbrar ações que podem conduzir a história a um novo patamar. Há a Lei da Ficha Limpa, que teve como motor a manifestação de milhões de brasileiros contra a corrupção e a impunidade. É a semente da esperança do surgimento de uma nova geração de candidatos que coloquem o bem comum como o grande objetivo da atuação política, invertendo a atual prevalência do interesse pessoal e da conquista do poder a qualquer preço.

Daí a importância de se vincular os ensinamentos teóricos aos exemplos de posturas éticas. Da Inglaterra vem um alento:  79% das escolas e 59% dos ex-alunos ligados à associação de MBAs de Londres e das Escolas de Administração de Durham afirmam que os programas de MBA deveriam focar as responsabilidades das empresas para com a comunidade, clientes, empregados e a sociedade em geral, em vez de encorajar o executivo a valorizar apenas suas obrigações para com os acionistas. Na China, os jovens também estão mais interessados em responsabilidade social e sustentabilidade. Conselhos profissionais: Medicina (CRM), Engenharia (CREA) e a Ordem dos Advogados (OAB) – debatem questões éticas e se preocupam com a reformulação de seus códigos de conduta. No ambiente corporativo, cresce o número de organizações de todos os portes que editam códigos de ética, buscando orientar as posturas e práticas de seus funcionários e fornecedores de acordo com novos valores.

São exemplos como esses que fundamentam a crença de que a ética, pelo menos no Brasil, está deixando de ser um capítulo árido do curso de filosofia, para permear toda a grade curricular das universidades. Até porque, em última instância, elas são centros de geração de conhecimentos e pensamentos capazes de forjar mudanças na sociedade. Em artigo recente, manifestei a esperança, que renovo, de que os movimentos pela ética consigam mandar para a lata do lixo (onde esperamos que permaneçam) conceitos e práticas que contribuem para denegrir a imagem do Brasil no mundo, para enfraquecer valores da cidadania e para deformar novas gerações, ao retirar-lhes a perspectiva de paz, justiça e igualdade social.
 
Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas e do Conselho Superior de Estudos Avançados da FIESP.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK