Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A escola do seu filho fala inglês?
 
A escola do seu filho fala inglês?
28/03/2013 as 15:06 h  Autor Cíntia Maria Falaschi  Imprimir Imprimir
Ensino de inglês: este é um tema que certamente vem fazendo – e fará cada vez mais – parte das preocupações de quem trabalha com educação no futuro próximo. As famílias começam a acompanhar mais de perto o trabalho realizado e os resultados do ensino de inglês. Pode ter certeza: a pressão vai aumentar.

Há muitas razões para isso. Um conjunto de fatores, como a globalização acelerada, a derrubada de fronteiras e territórios provocada pela comunicação on-line, a demanda dos negócios internacionais, a inclusão crescente de cidades brasileiras em roteiros planetários de moda, esportes, música – tudo isso vem tornando o inglês muito mais do que um verniz cultural. Trata-se de um prerrequisito verdadeiro para a inserção na cultura contemporânea.

Bem, e o que a escola tem com isso? Tudo! Preparar para a vida, para o mundo, para o trabalho, qualquer que seja o nome que se dê à missão da escola, agora também implica formar jovens proficientes no uso do idioma no qual é fechada a imensa maioria dos negócios internacionais e se produzem 90% dos papers científicos.

O problema é que até hoje os colégios se limitaram a um protocolar ensino de inglês, sem qualquer aferição de qualidade. Raríssimas são as escolas que estimulam seus alunos a buscar certificados de proficiência reconhecidos, como o PET (Preliminary English Test) ou o FCE (First Certificate in English), ambos de Cambridge, até porque sabem que os objetivos do trabalho realizado são mesmo pouco ambiciosos, do ponto de vista acadêmico.

Agora, a dinâmica do mundo não permite que isso continue assim, e o inglês tende a se tornar tão valorizado quanto as demais disciplinas do currículo escolar. O mesmo acontecerá também na rede pública, só que em um ritmo mais lento, claro.

Não é possível mudar esse quadro do dia para a noite, mas é hora de começar. Escolas que oferecem bom ensino de idiomas são aquelas que conseguem incorporar um pouco da cultura de outros países em nossa própria cultura, que produzem vivências, situações práticas e significativas para os alunos. É preciso formar equipes afinadas, estabelecer objetivos, integrar o inglês ao projeto pedagógico e dedicar efetiva prioridade ao tema, hoje relegado a um espaço menos nobre na grade horária.

É tempo de começar a pensar neste assunto, que pode enriquecer a escola do ponto de vista cultural e vir a se tornar até mesmo um interessantíssimo diferencial competitivo.
 
Cíntia Maria Falaschi é suporte pedagógico de língua inglesa do Ético Sistema de Ensino (www.sejaetico.com.br), da Editora Saraiva.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK