Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > PRESENÇA DE COVAS
 
PRESENÇA DE COVAS
26/03/2013 as 09:39 h  Autor Ruy Martins Altenfelder Silva  Imprimir Imprimir
O transcurso do aniversário da triste e emocionante despedida do governador Mário Covas, ocorrida em 6 de março de 2001, me fez lembrar o diálogo entre dois personagens do dramaturgo alemão Bertold Brecht (1898-1956) na peça Vida de Galileu. Um deles afirma enfaticamente: "Infeliz do país que não tem heróis"; e o outro rebate: "Não, amigo, infeliz do país que precisa de heróis". Os intermitentes casos de corrupção nos cinco séculos de história e os problemas que ainda se verificam no cotidiano nacional demonstram que o Brasil – apesar de todos os esforços e avanços hoje verificados na ética e na valorização da cidadania – lamentavelmente ainda se enquadra no segundo caso.

Essas palavras, que iniciaram meu artigo no transcurso do primeiro ano da sua morte, continuam válidas e, o que é mais triste, com maior atualidade ainda, nestes tempos em que escândalos de toda a ordem vêm a público quase diariamente, destruindo reputações até então tidas como ilibadas e exemplares para a sociedade. Covas governou os paulistas por dois mandatos consecutivos, de janeiro de 1995 a janeiro de 2001, quando se afastou do cargo em decorrência do câncer que o vitimaria. Antes disso, cumprira uma longa trajetória política, iniciada na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, época em que foi eleito vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Engenheiro civil, começou a vida pública em 1961com uma derrota, ao candidatar-se à prefeitura de Santos, sua cidade natal. No ano seguinte, foi eleito deputado federal e, como líder do MDB (único partido de oposição ao regime militar) foi cassado pelo AI-5 em 1968, voltando à engenharia. Dez anos depois, de posse dos direitos políticos, retomou a vida pública: deputado federal e prefeito de São Paulo. Sua brilhante gestão rendeu-lhe a maior votação para cargo eletivo registrada até então no Brasil, com os 7,7 milhões de votos que o conduziram ao Senado e à liderança da bancada do PMDB (partido que sucedeu o MDB) na Constituinte de 1988 e dali para governo do estado de São Paulo.  

Administrador competente e político hábil, talvez o maior legado de Covas tenha sido a verdadeira escola de governo que montou, atraindo com seus parâmetros éticos a fidelidade de seguidores e o respeito de correligionários e adversários – afinal, nenhuma denúncia manchou sua longa folha de serviços prestados ao País.

A grande lição de Covas ganha relevância numa era em que a sociedade valoriza, de maneira crescente, a sustentabilidade econômica e social como o pilar central na construção do desenvolvimento. E essa sustentabilidade tem, entre seus fundamentos essenciais, a ética na política – cuja ausência vem acarretando consequências danosas para um Brasil emergente, em que há muito a fazer para a redução dos agudos problemas sociais, para a consolidação da ainda recente democracia e para a expansão da economia, com o aumento da riqueza nacional e a garantia de trabalho para mais e mais cidadãos.
 
Quando se observa nos poderes constituídos a nociva prevalência de interesses pessoais, corporativos ou de grupos, torna-se necessário repudiar, denunciar e punir corruptos e corruptores, para quebrar a longa tradição de tolerância com os mal feitos, na apropriada expressão da presidente Dilma, que tanto maculam a nossa história. E também para evitar a repetição de vícios milenares denunciados com clareza no livro Arqueologia da ética, do psiquiatra Carlos Roberto Aricó: "Desde tempos históricos, é freqüente observar-se que os chefes políticos se transformam em proprietários do Estado (...). É oportuno considerarmos que as leis objetivam domesticar as paixões. Desejos, talentos e acaso, aliados a pessoas ambiciosas e covardes, foram os elementos básicos na desigualdade entre os homens".

E mais: cabe a todos os cidadãos responsáveis educar para a ética, em especial as novas gerações, e difundir esse conceito, como contribuição para a edificação de uma sólida ponte de acesso a um futuro mais feliz. Futuro em que os brasileiros não mais precisarão se socorrer da memória de heróis como Covas para encontrar sua identidade como povo e assegurar uma dose de autoestima.  Mas, sempre poderão – e deverão – reverenciá-los como expressão máxima de cidadania.

Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas (APLJ) e do Conselho do Centro de Integração Empresa-Escola  (CIEE).

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK