Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Por um mundo desigual
 
Por um mundo desigual
17/10/2012 as 16:17 h  Autor Eliane Quintella  Imprimir Imprimir
Igualdade é uma palavra que me assusta. Eu não acredito na igualdade. Eu acredito nas diferenças.

Somos todos maravilhosamente diferentes uns dos outros. Isso torna o mundo melhor. Diferença significa liberdade. A liberdade de eu ser quem eu bem quiser e seguir a vida que escolher. E isso, meus amigos, não tem preço.

Ser diferente me permite querer ser melhor que você. Também permite que você sonhe mais alto que eu, e, por isso, conquiste mais coisas. Nada como a liberdade de sermos diferentes para que eu escolha o meu caminho e você o seu.  É nessa desigualdade que eu vejo liberdade e respeito.

É por tudo isso que um frio congela minha espinha quando eu escuto alguém dizendo que somos iguais. Não somos iguais e ainda bem.

E é justamente essa desigualdade que assegura o direito à minha vida, às minhas escolhas, a tudo que for meu e que também lhe assegura o direito a tudo que for seu. Os direitos são iguais, sim, ainda bem, e essa é nossa garantia, mas isso não pode ser confundido, de forma alguma, com igualdade. A igualdade de querer nivelar tudo no mesmo patamar é corrosiva e destrutiva. Essa igualdade destrói o que é original, rebaixa o que é melhor e acaba eliminando o que é diferente. Nessa igualdade totalitária não há vencedores, há escravos. Ela aprisiona os cérebros brilhantes para que se tornem medianos. Não haverá invenções, não haverá nada que possa se sobressair, tudo o que possa ser desigual será sacrificado até a morte. Todas as diferenças, que são parte de nossa identidade, serão roubadas até não sobrar nada em nós, apenas mais um número. Não haverá vontade de luta, pois os frutos da vitória não poderão ser seus, não haverá vontade de criar, pois não poderá haver mudanças, nenhum avanço. Não haverá, também, vontade para crescer, para viver e, então, nos transformaremos em escravos apáticos dessa igualdade louca, sem sentido ou satisfação. Essa igualdade que odeia a diferença é escravidão, não se enganem.

Eu tenho o direito à minha vida, como você tem o direito à vida que escolheu. Eu tenho direito a tudo que for meu, a todas as minhas diferenças, exatamente como você. É essa liberdade que torna a vida colorida, que faz com que queiramos criar, lutar e brilhar.

Pregar a igualdade que não seja de direitos é acinzentar o mundo, é torná-lo sem graça.

Eliane Quintella. Escritora formada em Direto e mestre em Direito Processual Civil. http://pactosecreto.wordpress.com

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK