Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Lei do Inquilinato não deve mudar para o bem do locador e do locatário
 
Lei do Inquilinato não deve mudar para o bem do locador e do locatário
11/10/2012 as 17:19 h  Autor João Gilberto Goulart  Imprimir Imprimir
É corriqueiro ouvir rumores sobre alterações na Lei do Inquilinato, mas não há nenhuma mudança aprovada na lei de locação de imóveis urbanos quanto à livre estipulação do aluguel. Há vários projetos de lei no congresso tratando de matéria locatícia, alguns deles tramitando de forma conjunta. Especificamente quanto às limitações da livre estipulação do aluguel, há um projeto de lei (PLS 289/2007) que pretende limitar a cobrança de mais de doze prestações anuais de aluguel e de aluguel complementar. Originalmente, o projeto inseria essa limitação na parte geral da lei, mas uma emenda posterior passou a direcionar a proposta de modificação para as locações em shopping centers.

A cobrança de aluguel em dobro ou em valor diferenciado em alguns meses do ano e a cobrança de aluguel complementar nunca foram abusivas, até mesmo porque a jurisprudência pacífica dos nossos tribunais respalda esses ajustes especiais. A Lei 8.245/91, em seu artigo 17, diz que “é livre a convenção do aluguel”, vedando apenas sua estipulação em moeda estrangeira e sua vinculação à variação cambial ou ao salário mínimo. Logo, não há sequer a obrigação legal de que sejam pagas prestações mensais. O aluguel pode ser, por exemplo, trimestral, anual ou até mesmo pago antecipadamente por um período ajustado, quando a locação não estiver garantida. Com respeito às locações em shopping centers, essa liberdade contratual é reforçada ainda mais pelo artigo 54 da mesma lei do inquilinato, que estabelece que nas relações entre empreendedores e lojistas de shopping centers prevalecem as condições livremente pactuadas pelas partes. Portanto, nunca houve abusividade nessas estipulações, pois a lei faculta às partes estabelecer a melhor maneira de remunerar a locação do imóvel, que usualmente segue a praxe do mercado e a conveniência das partes.

O aluguel em dobro nos meses de dezembro ou em outros meses de maior movimento comercial é uma praxe nas locações em shopping center, por exemplo, que atende à sazonalidade do setor, criando um diferencial de remuneração para a locação nos períodos em que sabidamente o comerciante tem uma folga financeira maior. Sem adentrar aspectos legais relacionados à mitigação de princípios constitucionais como o do direito à propriedade privada e à livre iniciativa, o fato é que mesmo na esfera prática a alteração proposta nesse projeto de lei teria um resultado inverso ao originalmente pretendido. Como o preço do aluguel é ditado pelo mercado, os locadores simplesmente passariam a redistribuir o valor do aluguel em dobro por todos os meses do ano, tornado a locação mais onerosa nos meses de menor movimento comercial. Isso iria somente aumentar a inadimplência e criar dificuldades para os próprios locatários de lojas comerciais. Ou seja, a pretexto de proteger locatários supostamente prejudicados, a mudança iria reduzir a capacidade de pagamento desses comerciantes. Não há justificativa jurídica e nem prática para criar restrição à livre estipulação do aluguel hoje existente.

É também por isso que nenhuma proposta de mudança na lei evoluiu e nem foi aprovada sobre esse tema. E nesse projeto em especial, se os nossos congressistas fizerem uma análise consciente e sensível do tema, não deverá ser aprovada mudança, pois não fossem bastantes seus vícios jurídicos, o projeto também não encontra eco na vontade da sociedade.

A lei de locação de imóveis urbanos é uma das legislações especiais mais perfeitas do nosso ordenamento jurídico. Foi fruto de extenso debate entre juristas e diversas entidades representativas de locatários e locadores, resultando num complexo normativo equilibrado que veio apaziguar um setor que sempre havia convivido com legislações tendenciosas, ora pró locatário, ora pró locador, que acabavam por inibir o mercado imobiliário ao invés de fortalecê-lo. Ao longo do tempo, a lei sofreu mínimas alterações que ocorreram para refletir a evolução do posicionamento da jurisprudência sobre alguns poucos temas controversos. Isto é, quando houve alteração, essa ocorreu para positivar no texto legal um entendimento já consolidado dos Tribunais. O que se pretende nesse projeto de lei é, ao contrário, impor mudanças que não refletem o pensamento do mercado, das entidades envolvidas e nem da comunidade jurídica – doutrina e jurisprudência – sobre um tema extremamente sensível para a sociedade. O resultado de uma iniciativa dessa natureza é, não raro, desastroso e contrário aos interesses coletivos.
 
João Gilberto Goulart. Graduado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-Graduado em Direito de Empresa pelo Instituto de Educação Continuada da PUC-MG e pelo MBA em Direito da Economia e da Empresa da Fundação Getúlio Vargas.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK