Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Jorge Amado, Patrono do Turismo do Brasil
 
Jorge Amado, Patrono do Turismo do Brasil
13/08/2012 as 20:19 h  Autor José Queiroz  Imprimir Imprimir
As pessoas foram motivadas a visitar lugares, inicialmente, pelos relatos de viagens de conquistas, negócios e religiosas, depois pela literatura, cinema e televisão. Atualmente o trabalho de profissionais de turismo, publicidade e internet, informa, viabiliza e concretiza viagens e sonhos. Todos os veículos, entretanto, utilizam a História narrada pelos livros ou a ficção, a cultura de cada região, locais históricos, sagrados ou famosos, e as características de seus povos, que são os símbolos que alimentam o turismo. A exploração da natureza é mais recente, e não movimenta tantas pessoas e dinheiro como a cultura e a religião.

Jorge Amado começou sua obra quando o turismo estava se organizando e buscando sua autonomia. Em 1925 houve um Congresso Internacional de Associações Oficiais de Turismo, na Holanda, quando se discutiu a evolução da atividade e a interferência de governos. O mundo estava em fase de transição econômica, política e social e, em paralelo, o Brasil estava se adaptando à nova realidade pós Império e escravidão, buscando o desenvolvimento, e procurando definir sua identidade cultural. Leia sobre a participação de Jorge Amado nesse processo no site http://www.historia.uff.br/stricto/td/1515.pdf.

Turismo, obviamente, não era o objetivo inicial do escritor, mas ele escreveu ou participou de cinco livros guias turísticos, o mais famoso é Bahia de Todos os Santos, onde ele comentou a visitação de turistas mal conduzidas, prejudicial para culturas e monumentos, consequência da falta de profissionalismo da época. Ele mesmo foi “cicerone” de personalidades que vieram ao Brasil e à Bahia por sua influência. Em 1972 houve a Convenção Mundial do Patrimônio, da UNESCO, pois já se manifestava essa preocupação com os locais visitados, supostamente agredidos pela indústria turística, que hoje é, reconhecidamente, instrumento de preservação. Por isto, é necessário a formação, o emprego e a administração especializada.

O conhecimento prático e a sensibilidade de Jorge Amado, o talento para escrever, a formação em Direito, a consciência social, a influência de Gilberto Freire, a militância política e literária mundial, e o amor por Salvador, a “Cidade da Baía”, sua História, religiosidade e monumentos, sua gente, resultaram numa obra fabulosa em diversos aspectos. Reconhecida e reproduzida mundialmente, a obra divulgou o país e causou interesses, provocou discussões e trouxe contribuições, ajudou a formar a imagem pacífica, ordeira e alegre do Brasil e do seu povo, principalmente da Bahia. Fomentou o turismo!

Nenhuma cidade brasileira foi tão mostrada e discutida no mundo como Salvador! O colorido do Pelourinho e do povo miscigenado, místico e festeiro; a religiosidade singular, as cerimônias de Candomblé, as igrejas, procissões e festas católicas que geraram as festas populares e o maior Carnaval do mundo; a resistência à exploração, a sensibilidade e o talento para todas as formas de artes que geraram obras e manifestações espetaculares, como o samba e a Capoeira, de Gregório de Matos a Bel Borba, especialmente a do mestre Jorge Amado, que amava e internacionalizou a culinária e a musicalidade baiana.

Infelizmente, a falta de profissionais especializados na condução do turismo, e a falta de conhecimentos de pessoas que foram improvisadas, ou mal preparadas, têm causado problemas para esta atividade que poderia contribuir bastante com a economia e a cultura local. Turismo teria que ser matéria obrigatória nas escolas da cidade. O turista quer conhecer todos os pontos turísticos, ir à praia, se instalar num resort ou fazer um cruzeiro, mas o Pelourinho e o povo é o seu interesse. Há casos de turistas que sabem mais sobre a Bahia que muitos baianos! O atendimento no Pelourinho, por exemplo, não está à altura da História, da grandiosidade da obra de Jorge Amado, e da expectativa do turista. Este lugar precisa de atenção, intervenção, requalificação de profissionais, gestão competente!

Além disso, o turista espera encontrar tipos encantadores como Vadinho, Pedro Arcanjo, Gabriela, uma Flor que ensine a fazer quitutes, tomar uma cachaça de folha, conhecer as famosas igrejas e visitar um terreiro de candomblé, “receber um passe” e se sentir protegido, ouvir e tocar tambores, entender e curtir a musicalidade baiana. O candomblé não é devidamente apoiado pelo Estado laico, teoricamente, mas que aproveita seus símbolos na publicidade que gera negócios, e é tão desconhecido de muitos baianos como a própria História da África. Nem tem relação profissional/cultural com a atividade, que seja boa para os dois lados, principalmente para o povo baiano e para o visitante.

O turismo e a obra do Jorge Amado tem um ponto comum: a relação entre as pessoas, sem distinção. A atividade é reconhecida hoje como um meio de integração dos povos, pois o turista, principalmente em grupo, não tem cor, cultura, credo, especialidade, autoridade ou posição social. Todos são iguais para o profissional de turismo, serão atendidos e respeitados pelo interesse comum a todos, que é conhecer o lugar. As diferenças existem, mas são superadas durante as viagens, e não raro, desaparecem com o intercâmbio cultural.

E Salvador tem mais a refletir do que comemorar nesse momento. A cidade não foi devidamente preparada, Jorge estaria triste se visse o Pelourinho abandonado outra vez e o povo que ele retratou afastado de lá, dividido e hostilizando-se por ignorância e ganância de gestores que não conhecem nem honram sua obra, apenas estão na mídia, atrás de votos. Há tempo que se pede a recuperação da sua casa no Rio Vermelho, mas nenhum partido político o fez, suas prioridades são outras. Agora, no centenário de um dos escritores mais conhecidos do Brasil, nesse momento comentado e discutido em todo o país, e em vários lugares do mundo, às vésperas da eleição, estavam todos os candidatos lá, numa foto emblemática.

Salvador precisa oferecer o Tour Jorge Amado, como acontece em cidades que geraram personalidades como ele. Mas antes precisa recuperar o Pelourinho se quiser ter o turista de volta, precisa criar condições do lugar ser frequentado pelos baianos também, empregados e patrões, estudantes e professores, aprendizes e profissionais, artistas e público, padres e pecadores, boêmios, enfim, que se misturem todos, e com os turistas também, era o presente que o Jorge Amado merecia. Que respeitem a cidade, sua História, sua gente e a obra do escritor brasileiro mais famoso no mundo.

Aí sim, faça-se uma festa bem ao gosto do Jorge, um regabofe, divulgue-se, convide o povo da cidade e do mundo inteiro, dê comida, cachaça e música, muita música. É o que o povo e o turista quer, os baianos de verdade, não os falsos baianos.

“Neste momento de música eles sentiram-se donos da cidade. E amaram-se uns aos outros, se sentiram irmãos, porque eram todos eles sem carinho e sem conforto, e agora tinham o carinho e o conforto da música.”

Jorge Amado – da obra Capitães de Areia

Por José Queiroz

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK