Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Por que pessoas experientes são descartadas no mercado de trabalho?
 
Por que pessoas experientes são descartadas no mercado de trabalho?
29/06/2012 as 15:06 h  Autor Francisco Castro  Imprimir Imprimir
A relação entre idade e mercado de trabalho sempre teve problemas, principalmente quando envolvem pessoas mais novas ou pessoas mais velhas. Não é raro encontrar pessoas jovens que dizem que tem dificuldades de encontrar emprego, notadamente, em razão da falta de experiência porque a maioria das empresas prefere pessoas que já tenham trabalhado na área em que irá trabalhar, o que acaba descartando muitos que procuram uma vaga de emprego no mercado de trabalho. As pessoas mais velhas, principalmente aquelas que já passaram dos 50 anos de idade, temem ficar desempregadas porque sabem que a partir dessa idade existe uma dificuldade muito grande de se conseguir uma colocação no mercado de trabalho formal com o mesmo salário. Por que pessoas experientes são descartadas no mercado de trabalho?

Há muito tempo, vários cientistas vem estudando as relações entre idade, salário e produtividade em vários países do mundo, inclusive no Brasil. O que muitos desses estudos concluíram é que algumas habilidades como raciocínio, velocidade e memória episódica vão diminuindo conforme a idade da pessoa vai aumentando. Elas alcançam níveis máximos entre os 20 e 40 anos, passando a cair a partir de então. No entanto, nem todas as habilidades diminuem com o tempo de vida da pessoa. Existem habilidades como significado verbal e fluência nas palavras que podem até melhorar com o passar dos anos de vida. Portanto, não se pode afirmar que as pessoas mais velhas são menos produtivas do que as mais novas em todas as áreas. É verdade que existem áreas em que as mais novas produzem mais que as mais velhas, mas também existem áreas em que as mais velhas produzem tanto quanto ou até mais do que as mais novas.

Alguns estudos tem demonstrado que a diferença de produtividade entre pessoas com idade entre 20 e 40 anos de idade e pessoas acima dos 50 anos  está entre 20% e 40%. Pesquisas considerando países específicos tem demonstrado que as pessoas mais velhas possuem mais dificuldades de lidar com ciências, inovações e tecnologias. Em um mundo em que vivemos onde a tecnologias e as inovações são a tônica dos negócios e do trabalho, pessoas que não possuem habilidade apuradas para lidar com isso pode ficar de fora do mercado. As pessoas com mais idade podem ter mais habilidades que as mais novas em áreas gerenciais e outras semelhantes nas quais a experiência seja fator preponderante. Como a maior parte das atividades econômicas envolve a necessidade de habilidade nas quais os mais velhos tem menor aptidão que os mais novos, no geral, pessoas com mais idade acabam tendo dificuldades de encontrar emprego quando ficam desempregadas.

Ao contrário do que é observado em muitos países, os dados no Brasil demonstram que o salário das pessoas com idade entre 45 e 65 anos não diminuem quando permanecem no mercado de trabalho formal. Quando se analisa os dados envolvendo tanto pessoas que trabalham no mercado formal quanto as que trabalham na informalidade, observa-se uma diminuição nos rendimentos das pessoas mais velhas. Mas, a produtividade média dos trabalhadores brasileiros também diminui com o passar dos anos. Assim, pode-se concluir que para muitas empresas os trabalhadores mais velhos tornam-se um peso grande em sua folha de pagamento, haja vista que pela legislação trabalhista atual não é possível baixar os salários dos trabalhadores.

Tem-se aqui um problema bastante sério, se por um lado existe um trabalhador que deve sair do mercado de trabalho porque a sua produção não é igual ao de uma pessoa mais jovem, mas por outro lado, o sistema previdenciário não tem capacidade de absorver a entrada dessa pessoa com idade de 50 anos, por exemplo. Soluções para esse problema podem ser encontradas por meio de treinamentos constantes que levem ao retardamento da perda de habilidades, direcionar essas pessoas para atividades em que sejam necessárias habilidades que tenham em vantagem com relação aos mais novos ou demiti-las e recontratá-las com contratos informais pagando-lhes rendimentos menores. O que não pode e nem deve é a pessoa mais velhas serem marginalizas no mercado de trabalho, sem muitas vezes conseguir um emprego descente, arriscando a ganhar misérias em alguma atividade esporádica. As pessoas merecem muito mais que isso.

Francisco Castro. Economista
http://www.franciscocastro.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK