Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > DESENVOLVIMENTO HUMANISTA
 
DESENVOLVIMENTO HUMANISTA
15/05/2012 as 18:42 h  Autor Bruno Peron  Imprimir Imprimir
Em 1990, um grupo de economistas asiáticos arquitetou o conceito de "desenvolvimento humano" e formulou a primeira edição de seu Relatório no âmbito do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), um órgão da Organização das Nações Unidas (ONU). A frase que ensejou a fundação deste novo conceito é: "As pessoas são a riqueza real de uma nação".

O desenvolvimento deveria enfatizar, assim, as pessoas e trazê-las ao centro do processo de transformação da sociedade nos debates e nas políticas econômicas. Na visão do paquistanês Mahbub ul Haq, fundador do Relatório, o objetivo básico deste empreendimento é ampliar as escolhas das pessoas.

O economista indiano Amartya Sen, em seu turno, declarou que "desenvolvimento humano" é "avançar a riqueza da vida humana, em vez da riqueza da economia na que seres humanos vivem". A partir de então, o conceito de "desenvolvimento humano" não se aplica somente desde as pesquisas anuais do PNUD, mas também em vários contextos nacionais ao redor do mundo, isto é, inspira governos em várias esferas.

Estas ideias serviram de ponto de partida para uma reflexão mais ampla e inclusiva do conceito de desenvolvimento a fim de elucidar maneiras alternativas de transformar os países em função de algo mais que a utilidade materialista das mercadorias. Um dos argumentos favoráveis a esta guinada paradigmática refere-se ao desafio de reduzir as desigualdades nas avaliações anteriores à criação do Relatório.

O que constituiu o paradigma de "desenvolvimento humano" na década de 1990, que foi tomada pela onda de preceitos neoliberais, certamente difere do que significa hoje, uma vez que se trata de um conceito dinâmico, ou seja, que se condiciona na medida da transformação que provoca nas sociedades.

O PNUD declara que, mesmo nos países que enfrentaram condições econômicas adversas, a maioria das pessoas vive com mais saúde, longevidade, educação e acesso a bens e serviços. Comparativamente, o conceito similar de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) classifica os países da Organização das Nações Unidas em função de critérios como expectativa de vida, nível educativo e renda real (não a per capita). Nele, porém, as desigualdades assumem outras proporções.

Em 2010, o Relatório de Desenvolvimento Humano cumpriu seu vigésimo aniversário. No Prefácio da edição deste ano, Helen Clark, diretora do PNUD, declarou que "o desenvolvimento nacional deve ser medido não simplesmente pela renda, como tem sido há muito tempo, mas também pela expectativa de vida e alfabetização".

Inúmeros têm sido os esforços para agregar variáveis ao conceito de "desenvolvimento" de modo a suavizar que ele mesmo, afinal de contas, desigualou tudo o que hoje tenta combater ou reduzir em nome do humanismo.

A gestação do Relatório de Desenvolvimento Humano conformou uma tentativa de "humanizar" a carga economicista do conceito de "desenvolvimento". O risco, no entanto, é de que a economia, que em si encerra também um aspecto de desenvolvimento humano, passe a fagocitar outras esferas humanas dentro de suas diretrizes políticas através de uma fachada legitimadora que encubra a reivindicação de um "desenvolvimento" efetivamente mais humanitário. Noutras palavras, o aspecto "humano" do "desenvolvimento" não se deve transformar noutro elemento mais para avaliação de crescimento, renda, demanda, oferta, oscilação, etc.

O conceito de "desenvolvimento humano" não resolve, ainda, o impasse do humanismo como fim na medida em que aquele redunda no próprio "desenvolvimento" a despeito da boa vontade de seus ideólogos e das políticas que o aplicam.

Será possível olhar com menos desconfiança quando não seja a economia o campo ou a disciplina que nos tente redimir dos pecados do "desenvolvimento".

Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
Nesse próximo sábado (27/11), a live no canal de Ananda Lima, será sobre a Literatura em Formosa do Rio Preto.
Os convidados são os escritores, Eromar Bonfim, Evadson Maciel e Arnone Santiago.
Todos falarão de suas obras publicadas e como a literatura influência em sua condição humana.
Conheça um pouco da potência criadora da região Oeste.
*****
Acesse o canal de Ananda Lima (https://youtu.be/zIPXxy4U1SI) e acompanhe essa e outras discussões que ocorrem todos os sábados, às 18 horas.
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK