Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Informação estratégica e democracia
 
Informação estratégica e democracia
11/04/2012 as 21:29 h  Autor tenente dirceu  Imprimir Imprimir
Os escandalosos acontecimentos divulgados nos últimos dias – o envolvimento de policiais e porteiros de edifícios em assaltos no Morumbi (SP), os esquemas do contraventor Carlinhos Cachoeira em relação a figurões de vários escalões da República e os favorecimentos (ou conivência) de servidores públicos aos crimes e à corrupção – demonstram que o Brasil contemporâneo tem desprezado a informação estratégica. A falta do conhecimento das autoridades sobre o que acontece sob sua jurisdição e, principalmente, no interior das repartições, é uma grave distorção. Engolfados de democracia, os constituintes de 88 e aqueles que exerceram o poder a partir de então, ocuparam-se demagogicamente em varrer do cenário nacional tudo o que classificaram como “entulho autoritário”, mas não colocaram nada no seu lugar. Sequer tiveram a preocupação de verificar se aqueles procedimentos, com alguma adaptação, poderiam servir ao novo regime.

A demagógica onda de liberdade transformou-se em libertinagem e nos legou  leis equivocadas, que potencializam a crescente criminalidade. Sob o pretexto de democratizar, o Estado abriu mão da comunidade de informação e hoje não sabe dos crimes que se cometem sob suas barbas. O sucedâneo do odiado SNI (Serviço Nacional de Informações) não comete os exageros do órgão da época autoritária mas, pelo visto, também não informa o governo sobre os acontecimentos do seu interesse ou, se o faz, não merece crédito dos governantes. Se o fizesse, teria evitado tão numerosos escândalos na administração pública democrática e figuras como Cachoeira, Marcos Valério e outros errantes não teriam encontrado o espaço para cometer seus crimes, que tantos prejuízos trazem à sociedade e à imagem internacional do país, e as omissas autoridades não precisariam recorrer ao patético “eu não sei”.

É inegável que tanto o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) da ditadura Vargas quanto ao SNI, do regime de 64, não são exemplos a serem seguidos. Ambos atuaram no contexto de suas épocas e, muitas vezes, exorbitaram. Mas nem por isso, o governo poderia abrir mão da informação estratégica. É através dela que se regula a própria máquina e se evita a ação de criminosos tanto externos quanto internos.  Os governantes têm o dever de, no mínimo, cuidar do patrimônio público que lhes foi confiado através do voto. A informação estratégica é uma das ferramentas e a sua falta constitui grave deficiência. Exemplo de sua utilidade está nos trabalhos de inteligência – investigações e escutas judicialmente autorizadas – do Ministério Público e da Polícia Federal que, mesmo com pequena estrutura, vêm desmontando grandes esquemas de crimes e fraudes. Se a prática fosse disseminada a todos os estados e, até aos pequenos  municípios, a simples presunção de vigilância evitaria muitos deslizes, crimes e atos de corrupção. E nem por isso deixaríamos de viver numa democracia.

Não precisamos dos bisbilhoteiros e dos desprezíveis “cachorros” – assim eram chamados os agentes infiltrados do SNI – do tempo do regime autoritário. Mas o governo democrático precisa saber das coisas para poder promover as necessárias correções de seu curso. É preciso acabar com o preconceito e adotar procedimentos que realmente atendam às necessidades da administração e do povo. Não podemos viver um regime democrático cambaio e desaparelhado como o nosso tem sido mostrado em várias oportunidades. Queremos a democracia, jamais a anarquia ou a anarco-democracia.

Acorda Brasil, enquanto ainda é tempo!...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK