Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Como Folhas Secas Levadas pelo Vento
 
Como Folhas Secas Levadas pelo Vento
13/02/2012 as 21:28 h  Autor erika de souza  Imprimir Imprimir
Há dias que nos damos conta de que estamos como folhas secas soltas em meio a um impetuoso vendaval. Parece que nada do que falamos ou fazemos é levado a sério, pois ninguém se interessa se estamos bem ou não. Normalmente, as pessoas tendem a mostrar indiferença quando o assunto não é com elas, passam por nós e, quando muito, reparam nos nossos olhos vermelhos pela noite em claro.

Precisamos compartilhar o que sentimos, o que queremos, mas sem perder de vista o que desejamos para um futuro próximo, o que queremos, de fato, viver daqui para frente. Às vezes, o sentimento de solidão e abandono é tão grande que queremos que as pessoas se importem, pelo menos um pouquinho, com aquele mal-estar passageiro que sentimos dias antes, mas elas, infelizmente, dificilmente vão se importar.

Agimos, muitas vezes, como uma criança que nos mostra um machucadinho bem pequeno para ganhar nosso cuidado e nosso afeto, mas, diferente de uma criança, o que estamos apresentando aos outros são mostras de um isolamento que é, por consequência, agravado pelas feridas causadas nos momentos de dor que tivemos de viver. Embora todo esse quadro ser perceptível a olho nu, as pessoas, geralmente, pouco se importam se estamos ou não em desvantagem ou, simplesmente, sensibilizados por algo que acaba de nos acontecer.

Como folhas secas jogadas ao ar numa tarde de verão, carregadas para lugares incertos e desconhecidos por nós, assim nos sentimos ao ver o pouco caso que nossas dores causam em pessoas com quem temos contato diariamente. Muitas vezes, queremos apenas que elas deem um olhar de compaixão, falem algo como “se cuide, viu?”, mas inúmeras vezes somos surpreendidos pela apatia e pelo desdém que tomam conta de toda uma vida.

Como resposta a tudo isso, aprendemos muito rapidamente com essas pessoas e passamos a agir como elas, perpetuando um círculo de grosserias, indelicadezas e insensibilidades. Agindo assim, estamos, novamente, nos deixando levar a lugares que nem sempre queremos ir. Deixamos que os estímulos externos governem sobre nós e, em vez de assumirmos o controle real de nossas vidas, simplesmente vamos deixando os anos se passar, levando com eles todo o nosso vigor e disposição de, pelo menos, tentar alterar o curso dessa história.

Ora, não somos folhas secas e, como seres capazes de reassumir a autoria de nossa história que é escrita dia a dia, temos de reagir, nem que para isso tenhamos que enfrentar assuntos um pouco desconfortáveis para nós. Reassumir a autoria envolve muito mais do que possamos perceber num primeiro toque, num primeiro momento. Envolve repensar os momentos que agimos por impulso, os momentos que perdemos a educação diante de algum fato, os momentos que, sim, estávamos errados na mensagem que acabou sendo entendida incorretamente por alguém, sobre a qual não esboçamos nenhuma atitude.

Envolve também, por consequência, entendermos que, de um modo ou de outro, também falhamos a respeito de algo ou alguém, e em vez de nos entendermos como vítimas, termos consciência de que também é nosso papel irmos em busca do que queremos conquistar.

Essa conquista, por sua vez, não é palpável no começo, mas, à medida que o tempo vai passando, ela será evidenciada nos pequenos gestos de outras pessoas, estas que são prêmios incalculáveis da nossa vitória sobre a indiferença e o pouco caso.

Conquistar pessoas é maior, mais nobre e mais feliz do que se pode, com palavras, mensurar. Por isso, vale a pena tentar mais uma vez.

Mesmo em meio aos mais fortes e impetuosos ventos, é imprescindível que estejamos conscientes de que nossa jornada é composta por momentos que parecem fugir ao nosso controle, mas não se esqueça que é você que deve estar sempre na direção, escolhendo o percurso que deseja seguir e, muito mais do que isso, escolhendo se quer ou não ter a companhia das pessoas, as quais podem ser conquistadas, dia a dia, por você.

Reflita, decida-se, recupere o tempo perdido sob o comando de ventanias que levaram você a lugares, hoje, incompreendidos.

Erika de Souza Bueno
é Coordenadora-Pedagógica do Planeta Educação e Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). Professora e consultora de Língua Portuguesa e Espanhol pela Universidade Metodista de São Paulo. Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK