Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > SIDACULT E O CULTIVO HUMANO
 
SIDACULT E O CULTIVO HUMANO
09/01/2012 as 20:46 h  Autor bruno peron  Imprimir Imprimir
A epidemia de VIH (Vírus de Imunodeficiência Humana) estourou no início dos anos 1980 e, segundo dados da UNAIDS (programa das Nações Unidas sobre a "imunodeficiência adquirida", do inglês), 34 milhões de pessoas encerraram 2010 com o vírus no sangue.

Neste cenário ainda pouco promissor sobre o fim de disseminação da doença no mundo, surgiu o projeto Rede Regional SIDACULT, uma iniciativa do setor cultural do escritório da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura) em La Habana, Cuba. O projeto organiza pesquisas culturais e sociais sobre a epidemia de VIH/SIDA nos planos nacional e de outros países caribenhos.

A SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) inquieta os cientistas desde os primeiros diagnósticos em torno de trinta anos atrás devido ao desafio da descoberta da cura e os avanços medicinais que resultariam desta façanha.

Milhões de portadores do vírus ainda não sabem que o são e que qualquer enfermidade leve pode matá-los sem o recurso ao coquetel anti-retroviral, embora o acesso aos medicamentos tenha avançado para a universalização.

Os vírus exercem fascínio na microbiologia devido à falta de consenso sobre se são ou não formas de vida, visto que se constituem basicamente de uma cápsula proteica e material genético (ADN ou ARN), ou seja, são menos complexos que uma célula.

A despeito da controvérsia sobre seu estado biológico, o VIH tem provocado inúmeras dificuldades em profilaxia e tratamento da doença e o tema SIDA volta periodicamente a compor as pautas de debate entre gestores de saúde, educação, planejamento, sociedade e, ultimamente, cultura.

O projeto Rede Cultural SIDACULT dispõe de propostas artísticas e de promoção cultural para prevenção e tratamento de VIH/SIDA através de um espaço de diálogo e intercâmbio de experiências e informações. Sua proposta implica uma via solidária para desenvolver medidas preventivas e inclusivas a partir dos efeitos do vírus.

Profissionais de áreas distintas unem-se para lutar contra a epidemia desde contextos particulares de suas comunidades, regiões e países de origem. O projeto com escritório em Cuba possui cinco áreas temáticas: Arte, Comunicação, Educação, Ciências Sociais, Ciências Naturais. Há orientações a jornalistas interessados na proposta sobre como lidar com o tema na imprensa e redatar reportagens educativas e colaborativas.

A Rede Regional SIDACULT define-se como um "grupo associativo e não lucrativo" que se dedica a "oferecer uma resposta multidisciplinar" ao desafio que a epidemia de VIH/SIDA lançou aos cientistas, os portadores do vírus e os profissionais envolvidos. O que mais chama atenção neste projeto é o enfoque cultural sobre um tema que se limitava à esfera sanitária.

A instalação do SIDACULT em Cuba, portanto, tomou em consideração os estudos da UNAIDS, que indicaram o Caribe como um dos principais focos epidêmicos de VIH no mundo, a tendência profilática da medicina cubana, que investe em medidas educativas, e a disposição solidária e aberta ao diálogo que é inerente aos profissionais caribenhos. A mesma agência das Nações Unidas divulgou que o Caribe é a segunda região mais afetada (240 mil portadores do vírus) depois da África Subsaariana. Outra informação é de que havia, em 2010, quase dois milhões de soropositivos na América Latina e no Caribe e o Haiti possui a maior proporção de infectados com 2,2% da população.

A autonomia relativa que a "cultura" conquistou no meio acadêmico-profissional não anula o elo estratégico que os gestores culturais estabelecem com outros campos do conhecimento e de atuação profissional, como a saúde. A multidisciplinaridade oferece soluções mais fecundas para alguns problemas da humanidade do que as propostas que se discutem com ferramentas de uma única disciplina. Não se trata de prescindir completamente de uma ou de outra senão combinar o que cada uma tem para oferecer.

Milhões de portadores de VIH revigoram-se com a fruição da arte e a criatividade, quando não são agentes criadores das mesmas. Noutras palavras, estas pessoas recebem alento para frear a ação do vírus através do "cultivo" humano quando se imaginava que o diagnóstico meramente sanitário lhes tiraria todas as esperanças e lhes fadaria a um destino lúgubre.

Da prevenção ao tratamento, o HIV/SIDA é um tema que nos estimula à prudência, de um lado, e à solidariedade, de outro. Não há como obviar a questão como se ela fosse irrelevante. Tampouco se propõe uma solução sem considerar o papel fértil da cultura.

Bruno Peron Loureiro
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK