Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Cracolândia, incompetência e lágrimas
 
Cracolândia, incompetência e lágrimas
09/01/2012 as 19:54 h  Autor tenente dirceu  Imprimir Imprimir
O uso de “dor e sofrimento” como meio de persuadir os viciados da cracolândia paulistana a aceitar o tratamento é, pelo menos, discutível. Esse castigo nada mais é do que a tortura, prática infamante, condenada em todas as sociedades e só admitida nos lugares mais atrasados do planeta. Não há a menor dúvida de que as forças estatais devem à sociedade uma solução para a zona convertida em território da droga, pois ela se constituiu sob as barbas dessas mesmas autoridades, que pouco ou nada fizeram para resolver o problema, só agravado ao longo das duas últimas décadas.

Em vez da pura ocupação militar, o mais indicado seria um endurecimento inicial contra o tráfico e a montagem de estruturas suficientes para atendimento aos viciados. As “procissões” de drogados, noticiadas pela imprensa, em nada contribuem para resolver o problema e expõem negativamente a imagem da cidade. Ainda está em tempo de a máquina pública unir-se para a busca efetiva de uma solução. A própria PM seria melhor empregada se, em vez da repressão, fosse direcionada a montar, com outros órgãos de governo, o seu já conhecido sistema de Ação Cívico Social.

Barracas de campanha com médicos, psicólogos, dentistas, farnacûticos, assistentes sociais e até membros do Judiciário, para dar o atendimento integral ao viciado no seupróprio habitat. Oferecer ali mesmo todo o tipo de assistência, inclusive alimentação e higiene pessoal, e só levar para internação na rede de saúde os que tenham quadro clínico mais grave ou apresentem alto grau de periculosidade, dependência à droga e risco à própria vida e à de terceiros. Além dos servidores públicos, também poderiam ser chamadas a colaborar as igrejas e entidades sociais que já executam trabalhos com drogados. Tudo para que o usuário, em vez de reprimido, sinta-se apoiado, promovido e espiritualmente confortado.

Desde os tempos imemoriais, a forma mais adequada de acabar com uma guerra é cortar suas linhas de suprimento. Sem armas, alimentos e meios de locomoção, os litigantes são obrigados a se render. O mesmo tem de ser feito na guerra ao crack. O combate sem trégua ao tráfico diminuirá a disponibilidade da mercadoria junto ao consumidor e um eficiente trabalho social poderá recuperá-lo, assim como devolver à comunidade as áreas hoje sucateadas. Pode parecer utópico, mas essa é a obrigação dos governos, que não a cumpriram no tempo certo e, com isso, deixaram o problema chegar aos níveis catastróficos de hoje.

Apesar de decidida pelo segundo escalão – o governador, o prefeito, o secretário da Segurança Pública e o comandante da PM não sabiam – a operação na cracolândia está deflagrada. Os governantes e autoridades maiores, comodamente, decidiram “deixar barato” a uma suposta insubordinação. Mas agora é preciso agir rápido para garantir a eficiência do trabalho e evitar que tudo se converta num certeiro tiro no pé.

A Polícia Militar não deve ser a dona da operação e muito menos aplaudida pelo seu acerto ou vaiada pelo insucesso. Como polícia, tem de fazer apenas sua parte. O governo sim, é o responsável e tem de mobilizar recursos para a busca da solução. Em tempo: não é só no centro de São Paulo, mas também nos bairros e praticamente em todas as cidades do interior...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves. Dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)/aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK