Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A (in)fidelidade partidária
 
A (in)fidelidade partidária
19/12/2011 as 14:21 h  Autor tenente dirceu  Imprimir Imprimir
Apesar de desfrutarmos da democracia plena, ainda faltam-nos partidos fortes para sustentá-la. As siglas não podem continuar existindo como réles cartórios de homologação de candidaturas e loteamento de cargos governamentais. Seu funcionamento tem de ser permanente e voltado ao conteúdo programático que, salvo melhor juízo, representa o DNA da instituição. Há de se chegar ao dia em que, por respeito ao eleitor e vergonha na cara, o político brasileiro de uma orientação programática ou ideológica jamais se mudará para sigla oposta. Nesse tempo, cada um continuará no seu quadrado e, quando não concordar com o ritmo dos acontecimentos, lutará por suas idéias dentro do próprio partido. Só mudará se concluir que, realmente está numa agremiação que não represente seus ideais, mas o fará às claras e assumindo os riscos da ruptura. Dessa forma, ganhará a sociedade e ganharão os próprios políticos que, abandonando a frivolidade política, passarão a ter atuação mais coerente e, consequentemente, readquirirão o respeito do eleitor.

Para isso acontecer, os próprios dirigentes partidários têm de adquirir nova postura, e a Justiça resolver os seus gargalos para fazer com que a infidelidade seja punida como manda a lei, sem ter de esperar meses e até anos por uma decisão. Na certeza de perder o mandato, o possível infiel pensará muito antes de fazer as composições espúrias e oportunistas que se vê antes dos anos eleitorais.

Quem entra numa eleição deve estar preparado para um dos dois resultados possíveis: ganhar ou perder. Quem ganha tem a tarefa de governar e quem perde, até por respeito aos votos recebidos, fica com o dever de fiscalizar. Se o fizer de forma convincente, poderá até vir a ganhar na próxima eleição. O que não se pode admitir é a promiscuidade, que destrói a estrutura partidária, enfraquece os políticos sérios e desorienta o eleitor. Não precisamos de tantos partidos para a divisão do bolo e nem o bolo precisa ser dividido. Carecemos de partidos verdadeiros em que o povo possa confiar.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves. Dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)/aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK