Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > GONZO DA EDUCAÇÃO
 
GONZO DA EDUCAÇÃO
18/11/2011 as 19:12 h  Autor bruno peron  Imprimir Imprimir
As crianças desenvolvem-se em sociedades de comunicação e informação e adquirem destrezas distintas das que se requeriam nas gerações anteriores. Um jovem de dez anos maneja com facilidade a maioria das funções de um aparelho celular recém-lançado, enquanto um adulto de cinquenta engatinha no uso das novas tecnologias.

A juventude é a fase mais delicada e vulnerável de formação do caráter. É nela que os pais e outros entes envolvidos no processo educativo devem oferecer o melhor de si para a tarefa reprodutiva e evolutiva a que se sujeitaram.

Não por acaso sustento medidas radicais de controle de natalidade em países subdesenvolvidos a fim de que as famílias propiciem às crianças todo o carinho e os recursos necessários para a construção de seres dignos e cientes de seus direitos e deveres.

As políticas governamentais brasileiras por vezes desprezam a formação da criança como construtora de uma nação forte e exemplar. Em vez de buscar parcerias com gestores de outras políticas públicas sociais, acabam por tratar a criança tão pontualmente como o médico ocidental extirpa o efeito físico das doenças e despreza as causas emocionais.

Logo surgem políticas públicas de aprovação automática nas escolas de ensino fundamental, criação de cursos que preparam o jovem para ser mão-de-obra braçal e mal remunerada o resto da vida, e formação de laços estranhos com a iniciativa privada que têm transformado o prestígio dos estudantes de colégios públicos em vira-latas atrás de sucatas.

É preciso ser hábil, probo e responsável para lidar com políticas públicas educativas voltadas aos jovens, visto que recrudescem-se os interesses privados sobre a esfera pública e a tentativa de omitir também o idioma português através do ensino bilíngue desde muito cedo e em prol quase sempre do inglês.

A criança demora para ter consciência daquilo que lhe inculcam desde idades imaturas, destarte as mudanças de orientação religiosa e as rebeldias serem tão frequentes na adolescência. É uma temporalidade da formação que demanda ofertas benéficas e variadas para estimular a criatividade, e o acompanhamento dos responsáveis.

Não é raro que as crianças sugiram ideias e ações diferentes das de seus familiares e passem esporadicamente a educá-los como se houvesse inversão de papéis. Tenho acompanhado políticas municipais que visam a educar as crianças para o trânsito muito antes da habilitação a fim de que se gere um "efeito multiplicador".

A consideração das crianças como esperança de um mundo melhor não subtrai a importância que atribuo às outras faixas etárias, que culminam no heroísmo dos idosos em superar as vicissitudes e os desafios da vida. Estes fenecem e levam consigo enciclopédias biográficas e experiências profundas da existência, raramente captadas pelas gerações subsequentes e entranhadamente embebidas nas fontes modernas de informação.

As trilhas do processo educativo são amplas nalguns trechos mas sinuosas noutros porque os gestores nem sempre se dispõem a acompanhar a conjuntura cultural e os desafios emergentes que tornam o giz um monitor em preto e branco.

É comum escutar que os jovens leem pouco e a falta deste hábito os tem emburrado, porém nunca se leu tanto como na era atual transpassada pelos meios de comunicação e informação, como mensagens de texto em celular, legendas de filmes, bate-papos virtuais, e publicações de amigos em redes sociais.

Este diagnóstico, porém, poderia situar-se melhor nos tempos atuais desde que se critique o conteúdo das leituras e como elas contribuem (ou não) para a formação cívica num período tão vulnerável desta geração.

Crianças devem crescer com oportunidades variadas e instruções para fazer a escolha menos passível de arrependimento, assim se evita a fatalidade de ter que seguir um ofício e não outro de seu interesse e se lhes reserva a responsabilidade sobre seus pensamentos e atos.

Há que fazer uma aposta na dignidade das crianças através de atenção especial, que ignore laços sanguíneos e a presunção de que o problema da educação no Brasil resume-se nos salários baixos dos professores do sistema público de ensino.

Muitas vezes é viável inverter os papéis de quem ensina e quem aprende.

A finalidade desta inversão é o intercâmbio de carências e demandas.

O gonzo da educação articula as crianças com a sublimação do ser humano.

Bruno Peron Loureiro
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK