Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > MANANCIAL DE GANÂNCIAS
 
MANANCIAL DE GANÂNCIAS
11/10/2011 as 19:57 h  Autor bruno peron  Imprimir Imprimir
Dois países de "Nossa América" já negaram a continuidade de empresas transnacionais na exploração do serviço de captação e distribuição de água: Argentina e Bolívia. Os motivos são semelhantes: aumento abusivo das tarifas, inadimplência e divergências ideológicas.

As formas de exploração da água variam entre privatização, concessão de serviço público ou parceria público-privada. Esta tem aparecido até no corte de matos em vias públicas, ou seja, a empresa dispõe-se a cuidar da grama e a limpeza a troco de instalar cartazes publicitários. As deliberações provêm quase sempre de governantes vinculados a partidos políticos que consideram o Estado ineficiente diante da fulguração do mercado.

Todavia, que fazem no poder vestidos da máquina que julgam ineficaz e inibidora?

Os entrelaçamentos entre o estatal e o corporativo, daí, encontram impedimentos exíguos no conformismo dos beneficiários do serviço e nos acordos sub-reptícios que os governantes estabelecem com os empresários do ramo de energia elétrica, telefonia, transportes, água e saneamento básico a fim de vencer os certames eleitorais.

A Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu, em julho de 2010, que a água potável e o saneamento básico são direitos humanos inalienáveis que se oferecem a custo baixo.

Esta constatação, no entanto, não intimida a voracidade de empresas transnacionais em transformar tudo em mercadorias caras e seletivas, ao contrário da recomendação da ONU e o bom senso. Algumas das que exploram serviços de captação e distribuição de água são: Suez-Lyonnaise des Eaux, Vivendi Générale des Eaux, Bechtel Corporation, Enron, United Utilities, Severn Trent.

Assim como o governo brasileiro transporta comitivas empresariais nacionais em aviões oficiais a países arrasados por guerras ou catástrofes naturais, é natural imaginar que os países do Norte dispõem de políticas culturais tão ou mais eficientes.

Nações mais desenvolvidas, portanto, controlam os recursos naturais da América Latina com o pretexto de combate ao narcotráfico e o terrorismo, o mapeamento via satélites, as ajudas financeiras e humanitárias, e o envio de missionários ambientalistas, assistencialistas, cientistas ou pacifistas.

Temos nesta região a reserva de água doce mais volumosa do mundo. O aquífero Guarani é um complexo de água subterrânea que possui área de 1.200.000 km² e abrange Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. A América do Sul não ficará sem água.

Alguns dirigentes políticos creem que empresas privadas francesas, inglesas e EUAnas são mais eficientes que uma secretaria ou autarquia pública para administrar nossos recursos hídricos, que são um patrimônio coletivo assim como as reservas petrolíferas.

A água, na visão do presidente boliviano Evo Morales, é serviço público e não objeto mercantil. Morales reiterou, na Assembleia Geral da ONU em julho de 2011, sua posição contrária à tendência de privatização dos sistemas de captação, distribuição e fornecimento de água.

Evo Morales acusa que 75% da água doce mundial estão sob controle de empresas privadas, o que gera preocupação no que concerne à amplidão de onde é competência do Estado e das corporações.

As membranas governamentais devem, na medida do possível, fomentar a iniciativa empreendedora e oferecer-lhe condições para prosperar, porém sem entrar em contradição com sua razão de ser - as pessoas - e os princípios basilares de acordos internacionais sobre direitos humanos e proteção dos recursos naturais.

É notável que a oposição à privatização da água é mais tímida no Brasil que na Bolívia. Cochabamba, uma das maiores cidades deste país, foi palco da "Guerra da Água" e a expulsão da empresa francesa Suez-Lyonnaise des Eaux, que passou a recear os investimentos na América Latina.

A dependência maior do Brasil da circulação internacional de capitais não exime seu território da contestação ao uso privado da água, como testifica o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Desejemos que a água não seja pretexto de disputas territoriais, invasões desnecessárias, guerras infundadas, e mananciais de ganâncias.

Bruno Peron Loureiro
http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK